Estrelas

Estrela apaga seu brilho novamente em apenas 10 dias

Mais uma vez, uma estrela distante, conhecida por suas bizarras e inexplicáveis flutuações de luz, entrou em ação, desta vez apagando seu brilho mais dramaticamente do que nunca.

KIC 8462852, também conhecida como Estrela de Tabby ou estrela da “mega estrutura alienígena” como gostamos de chamá-la, diminuiu em pelo menos 5% – talvez até 10%, quebrando o recorde de apagão mais profundo desde os dados coletados pelo Kepler em 2011.

100516dysonsphere

O escurecimento começou em 16 de março, caindo 4%, antes de voltar ao normal, de acordo com um blog de observação dirigido por Tabetha Boyajian, astrofísica da Universidade Estadual da Louisiana que descobriu a estrela. Então ela começou  a se apagar novamente em 26 de março (ontem).

“Hoje temos algumas notícias muito grandes – dados obtidos na noite passada mostram que o fluxo de luz caiu 5%”, escreveu Boyajian . “Esta queda foi agora confirmada pelo observador John Hall. Parece que vencemos o recorde da semana passada no mergulho mais profundo observado desde o telescópio Kepler”, concluiu ela.

Ainda não sabemos o que isso significa, mas os dados ajudarão a construir um perfil melhor da estrela a 1280 anos-luz de distância.

O principal objetivo do Kepler é procurar estrelas com essa diminuição de brilho, já que é assim que encontramos os exoplanetas. Quando um planeta passa entre uma estrela e a Terra, ele escurece a estrela em uma pequena quantidade – 1% ou menos – em intervalos regulares.

Mas a Estrela de Tabby não segue esse padrão. Seu escurecimento é altamente irregular, ocorrendo em intervalos imprevisíveis e em graus variados. Nas observações do Kepler de 2011, diminuiu tanto quanto 22%.

Além disso, arquivos de dados revelaram recentemente que, além de escurecer, a estrela também passou por períodos de clareamento significativo no passado .

Parte do que é tão intrigante sobre o KIC 8462852 é que nenhuma hipótese parece explicar toda a estranheza. A ideia de uma “mega estrutura alienígena” que se tornou viral foi descartada no começo deste ano, depois que a análise determinou que alguns comprimentos de onda de luz foram bloqueados mais do que outros – o que não seria o caso se uma estrutura estivesse fazendo o bloqueio.

Outras teorias incluem um planeta circular passando em frente à estrela, seja absolutamente enorme ou um menor com uma oscilação orbital, lixo espacial de alguma civilização, a estrela engolindo um planeta, ou até mesmo algo acontecendo dentro da própria estrela.

Mas a explicação mais provável, e atualmente principal, é uma nuvem irregular de poeira girando em torno da estrela, já que isso bloquearia a luz ultravioleta mais do que a luz infravermelha.

Teria que ser uma tonelada de poeira para poder bloquear 22% da luz da estrela, mas isso não é impossível, dependendo das origens dessa poeira. [ScienceAlert]

Continue lendo...