Planetas

Viajar para Marte pode causar um efeito perturbador nos astronautas

Ao considerar fazer o salto do planeta azul para o vermelho, muitos de nós se concentram em saber se é tecnicamente viável fazer a viagem e chegar com segurança. Mas, mesmo que dividamos todas essas etapas, pode haver outras restrições em se é possível ou não viajar para Marte ou ainda mais longe, ou seja, se nossos corpos podem suportar.

Novas pesquisas descobriram que, à medida que escapamos da força da gravidade, a nossa força começa a mudar. Da visão alterada ao aumento da pressão sobre o cérebro quando em microgravidade, os sintomas estão todos sob uma condição conhecida como síndrome da pressão intracraniana de comprometimento visual ou VIIP. Mas até agora, as causas eram desconhecidas.

mars

Isso é um problema bastante importante para os astronautas. O fato de que mesmo os astronautas em microgravidade por períodos de tempo relativamente curtos na experiência da ISS os sintomas significam que é provável que seja um problema sério para vôos espaciais mais prolongados. A NASA até determinou as causas do VIIP como uma prioridade máxima.

“A exposição ao ambiente espacial tem efeitos permanentes sobre os seres humanos que simplesmente não entendemos”, explicou Donna Roberts, um neurorradiologista que vem estudando VIIP há mais de uma década. “O que os astronautas experimentam no espaço deve ser analisado para produzirmos viagens espaciais mais seguras para o público”, concluiu ela.

Roberts descobriu, através de testes em pacientes na Terra em microgravidade simulada (pense como se você ficasse deitado por 90 dias com a cabeça inclinada para baixo) e em 34 astronautas que retornam da ISS, que o cérebro muda sua estrutura. Ela descobriu que, quando em microgravidade, a incrível neuroplasticidade do cérebro altera sua forma se, juntamente com o fato de que ela é efetivamente esmagada em direção ao topo do crânio.

Isso reduz a quantidade de fluido protetor que envolve o cérebro, o que poderia, por sua vez, levar a sérios problemas de saúde.

“Nós sabemos que essas viagens de longa duração causam um grande impacto nos astronautas, no entanto, não sabemos se os efeitos adversos sobre o corpo continuam a progredir ou se estabilizam após algum tempo no espaço”, disse Roberts. “Estas são as questões que nos interessam abordar, especialmente o que acontece com o cérebro humano e sua funções”, concluiu. [IFLS]

Continue lendo...