Objetos misteriosos são fotografados se aproximando da Via Láctea

Durante a década de 1970, um astrônomo percebeu uma enorme fonte de rádio no centro de nossa galáxia, que mais tarde percebeu ser um buraco negro supermassivo – que desde então tem sido chamado de Sagitário A*. E em uma pesquisa recente conduzida pelo Observatório de Raios-X Chandra, da NASA, os astrônomos descobriram evidências de centenas ou mesmo milhares de buracos negros localizados na mesma vizinhança da Via Láctea.

Mas, como se vê, o centro da nossa galáxia tem mais mistérios que estão apenas esperando para serem descobertos. Por exemplo, uma equipe de astrônomos detectou recentemente uma série de “objetos misteriosos” que pareciam estar se movendo ao redor do Sagitário A no Centro Galáctico.

Usando 12 anos de dados retirados do Observatório WM Keck, no Havaí, os astrônomos encontraram objetos que pareciam nuvens de poeira, mas se comportavam como estrelas.

A pesquisa foi conduzida através de uma colaboração entre Randy Campbell no Observatório WM Keck, membros do Grupo de Centro Galáctico da UCLA (Anna Ciurlo, Mark Morris e Andrea Ghez) e Rainer Schoedel do Instituto de Astrofísica de Andalucia (CSIC) em Granada, Espanha.

Os pesquisadores fizeram sua descoberta usando 12 anos de medidas espectroscópicas obtidas pelo Espectrógrafo de Imagem Infravermelho de Supressão de OH do Observatório Keck (OSIRIS). Esses objetos – que foram projetados como G3, G4 e G5 – foram encontrados ao examinar a dinâmica de gás do centro de nossa galáxia e foram distinguidos das emissões de fundo por causa de seus movimentos.

Os astrônomos descobriram esses objetos-G pela primeira vez perto de Sagitário A há mais de uma década – outros como, o G1, foi descoberto em 2004 e o G2 em 2012. Inicialmente, ambos foram pensados para serem nuvens de gás até que eles fizeram sua aproximação ao buraco negro supermassivo e sobreviveram. Normalmente, a atração gravitacional dele iria desfazer as nuvens de gás, mas isso não aconteceu com G1 e G2.

Os objetos misteriosos.

Os objetos misteriosos.

Como essas fontes recém-descobertas de infravermelho (G3, G4 e G5) compartilhavam as características físicas de G1 e G2, a equipe concluiu que elas poderiam ser potencialmente objetos-G.

O que torna os objetos-G incomuns é seu “inchaço”, onde eles parecem estar encobertos por uma camada de poeira e gás que os torna difíceis de detectar. Ao contrário de outras estrelas, os astrônomos só vêem um envelope brilhante de poeira ao olhar para os objetos-G.

Depois de examinar os objetos, a equipe notou que havia uma grande quantidade de energia emanando deles, mais do que o esperado. Como resultado, eles teorizaram que esses objetos-G são o resultado de fusões estelares, que ocorrem quando duas estrelas que orbitam umas às outras (também conhecidas como binárias) se colidem. Isso teria sido causado pela influência gravitacional de longo prazo do buraco negro.

“Isso é o que eu acho mais emocionante. Se esses objetos são de fato sistemas estelares binários que foram levados a se fundir através de sua interação com o buraco negro supermassivo central, isso pode nos fornecer informações incríveis sobre um processo que pode ser responsável pelo fenômeno”, disse Andrea Ghez, fundadora e diretora do Galactic Center Orbits da UCLA (GCOI). [ScienceAlert]

Natural de Conceição do Coité, na Bahia, estudante de Comunicação Social, com ênfase em Rádio e TV, trabalha com divulgação científica na internet e é o fundador do projeto Mistérios do Espaço.

2 comentários sobre “Objetos misteriosos são fotografados se aproximando da Via Láctea

  1. Pedro

    Admiro muito as suas publicações parabéns pelo seus conhecimentos siga em frente e nunca desiste dos seus sonhos vc tem um belo futuro pela frente seus pais deve ter muito orgulho de vc

  2. roberto

    Objetos estranhos estão indo e vindo em nosso sistema. Precisamos fabricar equipamentos com os materiais que vem do espaço e ai sim veremos muito mais, Só enxergamos os materiais que fomos feitos os demais não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *