Astrofísica

O maior radiotelescópio do mundo está oficialmente operacional

O maior e mais sensível radiotelescópio do mundo está oficialmente aberto, de acordo com a Xinhua, a mídia estatal oficial da China. Apelidado da FAST, que significa “Olho do céu”, ele foi construído em uma depressão natural em Guizhou, sudoeste da China. Entre outras coisas, seus objetivos científicos são estudar pulsares.

O radiotelescópio FAST. (Créditos: Reprodução)

O nome do FAST não é exatamente preciso. Embora tenha um diâmetro de 500 metros, apenas 300 metros são usados ​​no momento. O telescópio está ativo e pode mudar para que um segmento de 300 metros fique focado no receptor.

Segundo a Xinhua, todos os indicadores técnicos do FAST estão atingindo ou superando os níveis planejados. É um poderoso radiotelescópio, e os cientistas pensam que fará algumas grandes descobertas, especialmente nos primeiros dois anos.

Os objetivos científicos do FAST incluem:

  • Pesquisa de hidrogênio neutro em larga escala;
  • Observações e estudo de pulsares;
  • Liderar a rede internacional de interferometria de linha de base muito longa (VLBI);
  • Detecção de moléculas interestelares;
  • Detectar sinais de comunicação interestelar.

O FAST também realizará duas pesquisas no céu, que levarão cerca de cinco anos e mais dez apenas para analisar todos os dados. Ainda assim, haverá espaço para flexibilidade no cronograma operacional do telescópio, para buscar quaisquer surpresas que surjam no caminho. As pesquisas ocuparão cerca de metade do tempo de observação do telescópio, deixando espaço para objetivos como a busca por exoplanetas com campos magnéticos, que são provavelmente cruciais para a vida.

Em termos de cobertura do céu, o FAST é um grande passo à frente na radioastronomia. Ele expandiu quatro vezes o volume da faixa espacial que os radiotelescópios podem explorar. Isso é um salto, e significa que “os cientistas podem descobrir mais estrelas desconhecidas, fenômenos cósmicos e leis do universo, ou até detectar vida extraterrestre”, disse Li Kejia, cientista do Instituto Kavli de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Pequim.

O FAST foi concluído em 2016 e custou cerca de 170 milhões de dólares americanos. É operado pelo Observatório Astronômico Nacional Chinês, parte da Academia Chinesa de Ciências. A China pretende permitir que pesquisadores internacionais usem a instalação, refletindo como outras instalações astronômicas são usadas em todo o mundo. Até agora, quase dez cientistas de outros países já usaram o FAST.

O FAST substituiu o maior radiotelescópio anterior do mundo, o Observatório Arecibo, em Porto Rico. Ambos os telescópios são grandes parabólicos e podem usar apenas uma parte de sua área de cada vez. Mas o FAST não é apenas maior, é operado de maneira diferente e é mais flexível. Embora o Arecibo tenha uma forma fixa, o FAST pode alterar sua forma da superfície.

O radiotelescópio chinês é como um telescópio de espelho segmentado. Sua superfície é composta por quase 4500 painéis individuais. Existem mais de 2200 guinchos na parte inferior que podem moldar a superfície, formando uma parábola destinada a diferentes partes do céu. O radiotelescópio também é um prato significativamente mais profundo que o Arecibo, o que oferece um campo de visão ainda mais amplo.

Traduzido e adaptado de Universe Today
Por Evan Gough

Continue lendo...