Astrobiologia

Novo equipamento ajudará a descobrir vida fora da Terra

Os cientistas dizem que desenvolveram uma nova ferramenta que poderia nos ajudar a detectar a vida em outros mundos, uma façanha surpreendentemente complicada.

Em uma colaboração entre a Universidade do Hawaii e a NASA, o novo instrumento usa algo chamado espectroscopia de micro-Raman para analisar a composição química de uma amostra disparando um laser para ela. Isso pode revelar compostos orgânicos encontrados em seres vivos como aminoácidos, e também encontrar minerais que são formados por processos bioquímicos, um possível indicador de vida.

Imagem do equipamento.
Imagem do equipamento.

“Nosso instrumento é projetado para servir como um instrumento ideal para futuras missões que usam rovers ou landers para explorar a superfície de Marte ou a lua gelada gelada de Júpiter”, disse M. Nurul Abedin, do Centro de Pesquisa Langley da NASA.

O instrumento é chamado de instrumento ultra-compacto Micro-Raman (SUCR) e é considerado como um dos espectrômetros Raman mais avançados já desenvolvidos. Tal instrumento poderia ser usado em futuras missões em lugares como Marte ou Europa para analisar rochas.

Isso já está sendo feito para a próxima missão para Marte (ExoMars) em meados de 2020. Esta missão incluirá um Espectrador laser Raman (RLS) para procurar compostos orgânicos e evidências de água. Esse sistema, embora não muito volumoso, compreende uma série de peças e pesa 2,3 quilos.

O SUCR é muito menor e permite um maior nível de precisão. Pode analisar um ponto em uma amostra apenas 10 mícrons (0,001 centimetros).

A vida em Marte, se alguma vez existiu, pode ter consistido em microorganismos com apenas alguns mícrons de tamanho. Então, obter uma resolução tão pequena é crucial ao procurar qualquer sinal de vida passada ou presente.

“Tivemos que nos certificar de que o instrumento era muito pequeno e leve para que ele pudesse viajar a bordo de uma pequena nave espacial eficiente em termos de combustível que faria a viagem de nove meses para Marte ou a viagem de seis anos para a Europa”, disse Abedin. [IFLS]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.