NASA revela grandes evidências de material orgânico em Marte

Durante anos, o rover Curiosity da NASA reuniu pacientemente amostras na superfície de Marte. Hoje, os cientistas estão anunciando que descobriram evidências conclusivas de que vários compostos orgânicos são realmente encontrados no Planeta Vermelho.

marte-planeta-espaco-1016-1400x800

Além disso, depois de acompanhar de perto os níveis de metano na atmosfera marciana, os cientistas finalmente confirmaram que algo de estranho está acontecendo, e eles pensam que sabem o que está causando isso. Um conjunto de resultados geológicos entregues recentemente graças à broca do Curiosity fornece uma compreensão mais profunda da química orgânica do Lamito de 300 milhões de anos em duas partes separadas da cratera Gale.

Verificou-se que as amostras continham tiofeno, metanotiol e dimetilsulfureto. Esses produtos químicos podem não significar muito para a maioria de nós, mas para os isologistas (que são geólogos marcianos) é uma indicação de que a química orgânica no Lamito marciano é extremamente semelhante à nossa.

O outro conjunto de resultados anunciados hoje trata do misterioso caso do metano de Marte. Espículas de metano (CH4) foram notadas pela primeira vez na atmosfera do Planeta Vermelho há vários anos, atraindo um intenso debate sobre a possível fonte de hidrocarbonetos.

Devia levar centenas de anos para o metano se desfazer na presença de luz UV, mas não foi isso que aconteceu em Marte. A onda de metano parece desvanecer-se tão rapidamente quanto parece, indicando que não existe apenas uma fonte dele.

A notícia mais legal ainda é que as mudanças definitivamente coincidem com as estações de Marte, atingindo um pico no final do verão no hemisfério norte. Aqui na Terra, 95% de todas as moléculas de metano são o produto da vida Isso não quer dizer que não há fontes não-biológicas, mas em nosso mundo elas são inundadas por “peidos” de vaca e bactérias que “arrotam”.

Mas, por mais tentador que seja sugerir micróbios marcianos como a fonte, por enquanto, há muitos outros candidatos a excluir primeiro. Os principais concorrentes incluem algum tipo de reação química baseada em uma rocha chamada olivina, meteoritos lançando materiais orgânicos na atmosfera ou uma liberação de um reservatório subterrâneo próximo à superfície.

Algum tipo de biologia não pode ser descartada, é claro. Neste ponto, simplesmente não há como saber se as moléculas orgânicas e as descobertas de metano apontam para uma potencial vida em Marte. Testes futuros dos isótopos de carbono no metano podem tornar a imagem mais clara, mas por enquanto não podemos nos deixar levar – embora os novos resultados sejam um grande passo para descobrir ainda mais. [ScienceAlert]

 

Natural de Conceição do Coité, na Bahia, estudante de Comunicação Social, com ênfase em Rádio e TV, trabalha com divulgação científica na internet e é o fundador do projeto Mistérios do Espaço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *