Um antigo mistério sobre a Lua foi solucionado

Os astronautas que tiveram a sorte de pisar na Lua encontraram um enigma durante suas breves estadas lá: A superfície lunar estava mais quente do que esperavam. As missões Apollo na superfície lunar, claramente, não foram apenas parte de uma disputa com a União Soviética. Muita ciência foi, e ainda está sendo, conduzida em pedaços da Lua, incluindo como o calor escapa de seu núcleo para a superfície.

extra_large-1528370509-cover-image

Durante as missões Apollo 15 e 17 no início dos anos 1970, também foram colocadas sondas no antigo solo vulcânico para ver como nosso satélite estava se aquecendo. Isto é mais importante do que você pensa, afinal de contas, o resfriamento do interior da Terra é a razão pela qual temos continentes, montanhas, terremotos, vulcanismo e praticamente todos os processos de superfície que você possa imaginar.

A Lua é uma esfera morta e têm sido há milhões de anos, seu vulcanismo há muito desapareceu e certamente nunca conseguiu desenvolver nenhuma placa tectônica. Ainda assim, está constantemente se esfriando, e a NASA queria saber quanto.

Perfurando alguns buracos no solo cinza, os astronautas de ambos os programas usaram seus termômetros de alta tecnologia e anotaram as leituras.

Isso não foi fácil, lembre-se: eles tiveram que levar em conta as mudanças causadas pela luz do sol e o aquecimento criado pela própria perfuração. Eventualmente, no entanto, leituras de longo prazo indicam que, de acordo com o Instituto Lunar e Planetário, o fluxo de calor superficial da Lua está entre 18 e 24% a da Terra.

Algo estava errado: as sondas de calor registraram um aquecimento gradual dos locais de pouso da Apollo muito depois que as medidas originais foram tomadas. Não ficou claro por que, mas não poderia ser por causa de um processo interno liberando mais calor.

As fitas de dados seguraram claramente as respostas, mas, infelizmente, alguém errou. Depois que essas experiências terminaram em 1977, parecia que os cientistas só arquivaram os dados de 1971 a 1974. Os demais nunca foram alcançados e foram perdidos.

Uma equipe liderada pela Texas Tech University decidiu fazer algumas investigações em 2010, e conseguiu localizar as fitas de dados perdidas em um enorme centro de arquivos da agência federal. Recuperando cuidadosamente os dados para as leituras de temperatura do final dos anos 70, eles obtiveram um melhor entendimento das mudanças de temperatura: pareceu que o aumento de temperatura foi detectado pelas sondas mais rasas, antes de se registrar nas sondas mais profundas.

Indicando que era uma causa relacionada à superfície, eles cruzaram suas descobertas com imagens tiradas da superfície da Lua no momento em que foram feitas.

Foi sugerido que, como resultado das atividades dos astronautas, andando, fazendo ciência, o aquecimento solar pelo aumentou ligeiramente em média, e isso resultou no aquecimento observado, pois mais luz solar que foi absorvida na superfície. Então, como é comumente o caso nos dias de hoje, o aumento de temperatura foi culpa nossa. [IFLS]

Natural de Conceição do Coité, na Bahia, estudante de Comunicação Social, com ênfase em Rádio e TV, trabalha com divulgação científica na internet e é o fundador do projeto Mistérios do Espaço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *