NASA revela grande descoberta em lua de Júpiter

Os cientistas fizeram uma descoberta inovadora de uma pluma de água na lua de Júpiter, Europa, escondida em dados de décadas da espaçonave Galileo, da NASA. E isso pode ter implicações importantes na busca pela vida. Em um artigo publicado na Nature Astronomy, uma equipe liderada por Xianzhe Jia, da Universidade de Michigan, descreveu como eles re-analisaram dados da missão Galileo, que orbitou Júpiter de 1995 a 2003.

Concepção artística de Europa.

Concepção artística de Europa.

E eles descobriram que em 16 de dezembro de 1997 a espaçonave parece ter voado diretamente através de uma pluma em Europa, ejetada de um talvez oceano sob sua superfície gelada. Isto corrobora com as descobertas anteriores do Telescópio Espacial Hubble, que sugere que Europa está ejetando plumas.

Durante este sobrevoo (chamado E12) a espaçonave passou por Europa a uma altitude de cerca de 200 quilômetros. Os dados mostram que dois de seus instrumentos mediram um pico no campo magnético e a densidade do plasma por cerca de três minutos. Este pico é considerado consistente com uma pluma vinda da lua. Como a água foi ejetada para fora da superfície, ela teria gotículas e material variando em tamanho de moléculas a grãos de poeira. Estes se tornam ionizados enquanto viajam para o espaço, transformando-se em partículas carregadas conhecidas como plasma.

O plasma também é capaz de afetar o campo magnético, o que significa que Galileu poderia fazer duas detecções dessa pluma. Com uma simulação por computador, a equipe conseguiu mostrar que os picos que viram eram provavelmente o resultado de uma. E eles poderiam até trabalhar o seu tamanho.

“Estimamos o tamanho observando quanto tempo o sinal estava nos dados e conhecendo a velocidade da espaçonave”, disse Jia. “Foi talvez de 1.000 quilômetros de largura”, concluiu.

De todos os voos da Galileu, este parece ser o único em que voou através de uma pluma. Outro, o E26, em 3 de janeiro de 2000, a uma altura de 400 quilômetros, também viu um pico. Mas durou apenas alguns segundos, com a equipe sugerindo que isso provavelmente não tenha sido resultado desse fenômeno.

Uma das coisas mais intrigantes sobre o sobrevoo E12 é a localização da pluma suspeita. A equipe pensa que estava vindo de uma região perto de uma grande cratera em Europa chamada Pwyll Crater, que fica ao sul do equador da lua. E esta é uma região similar a onde o Hubble viu suas plumas antes.

Isso tem todos os tipos de implicações incríveis. Porque o interior de Europa, e outras luas geladas como esta, podem conter os ingredientes necessários para a vida, incluindo água e energia na forma de calor. Se eles têm aberturas hidrotermais no fundo do oceano, como alguns cientistas sugerem, então estes ambientes poderiam ser locais privilegiados para a vida surgir. [IFLS]

Natural de Conceição do Coité, na Bahia, estudante de Comunicação Social, com ênfase em Rádio e TV, trabalha com divulgação científica na internet e é o fundador do projeto Mistérios do Espaço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *