Estrelas

Imagem mostra o Sol de um ângulo nunca antes visto

Nós, humanos, somos muito curiosos sobre o forno nuclear que alimenta a vida na Terra. Nós olhamos para o Sol de muitas maneiras diferentes, tanto baseadas na Terra como no espaço. No entanto, sempre tivemos muita dificuldade em obter um vislumbre de seus pólos. Agora, uma missão solar nos deu essa visão, na forma de uma imagem a partir de dados coletados pelo satélite PROBA-2 da Agência Espacial Europeia, em órbita ao redor da Terra.

Nosso planeta natal – e a maioria das coisas no Sistema Solar – orbita o Sol em um plano mais ou menos próximo ao equador da estrela. Isso é chamado de plano eclíptico, e é o resultado do disco plano de poeira e gás que girou em torno do Sol, do qual os planetas se formaram. Também lançamos espaçonaves no plano da eclíptica, por uma razão prática. O giro da Terra em seu eixo dá um impulso a um foguete, o que significa que é preciso menos esforço para levá-lo ao espaço.

Em um momento anterior, houve uma sonda que olhou para os pólos do Sol. A NASA, a ESA e o Canadian National Science Council colaboraram para que a missão Ulisses, viajasse por cima dos pólos do Sol a uma distância de quase 322 milhões de quilômetros. Isso é mais que o dobro da distância média entre a Terra e o Sol.

Foi um baita de um feito incrível. Eles tiveram que enviar a sonda até Júpiter. Então, uma vez que chegou lá, eles tiveram que desacelerar para quase nada, para usar a gravidade do planeta para arremessar Ulisses para fora do plano da eclíptica do Sol – como falado acima.

Em seguida, fez apenas três enormes voltas no Sol ao longo de 15 anos. E aprendemos muito com o Ulisses – mas nenhum de seus instrumentos era uma câmera. Tudo isso é a razão pela qual nunca conseguimos ver os pólos do Sol diretamente com nossos olhos.

Desta vez, não estamos olhando para exatamente uma foto – mas é provável que seja algo muito próximo de uma. “Embora os pólos não possam ser vistos diretamente, quando as espaçonaves observam a atmosfera solar, eles coletam dados sobre tudo ao longo de sua linha de visão, e também observam a atmosfera se estendendo ao redor do disco do Sol”, explicou a ESA.

Fatia por pequena fatia, enquanto o Sol gira, o PROBA-2 faz leituras desses elementos em comprimentos de onda ultravioleta extremos, e então os combina em uma reconstrução dos pólos solares. Você pode ver as linhas entre as fatias individuais e a linha do meio é criada por causa de pequenas mudanças na atmosfera solar durante o período em que os dados foram coletados.

Os cientistas da ESA têm construído essas imagens desde junho deste ano, colocando-as em um banco de dados para que possam observar como os pólos da Sol mudam com o tempo. Isto é para que eles possam tentar aprender mais sobre a dinâmica dos fenômenos solares nas regiões polares – como os buracos coronais.

Mas para vermos fotos 100% reais, talvez tenhamos que esperar pelo Solar Orbiter da ESA, com previsão de lançamento em 2020. Não vai orbitar os pólos, mas vai dar zoom em latitudes suficientemente altas para poder visualizar essas regiões misteriosas e indescritíveis. [ScienceAlert]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.