Astrofísica

Nova ideia sugere “fluido escuro” para explicar o universo

A grande maioria do universo é feita de coisas que não podemos ver, já que é invisível à luz – um dessas cosias foi apropriadamente chamada de matéria escura e outra força que repele a gravidade, chamada energia escura. Entender sua verdadeira natureza é muito difícil e, embora possamos estudar os efeitos, ainda estamos para definir as causas. Agora, uma nova teoria propõe a unificação da matéria escura e da energia escura em uma única substância: um fluido escuro com massa negativa.

Publicada na revista Astronomy & Astrophysics, esta abordagem de fluido escuro propõe uma maneira de combinar as duas principais explicações para a matéria escura e energia em uma única substância.

“Agora pensamos que tanto a matéria escura quanto a energia escura podem ser unificadas em um fluido que possui um tipo de ‘gravidade negativa, repelindo todo o material ao seu redor”, disse o autor Jamie Farnes, da Universidade de Oxford.

Partículas de massa negativas foram anteriormente descartadas como uma explicação porque, à medida que o universo se expande, acredita-se que elas se tornariam menos densas. Mas este novo modelo sugere que essas partículas estranhas estão sendo continuamente criadas no universo e, portanto, não estão sendo diluídas.

“Para meu conhecimento, esta é a primeira teoria que incorporou ambos os resultados”, disse Farnes. “Como bônus, a teoria parece explicar não apenas a matéria escura, mas também obtemos uma solução possível para a energia escura. Parece que um simples sinal de menos pode ser capaz de resolver dois dos maiores problemas da física”, disse ele.

O modelo foi testado usando uma simulação do universo e foi capaz de criar um cosmos virtual cuja distribuição de galáxias se formou como esperado. É uma descoberta intrigante, embora longe de ser uma prova definitiva. Mas existem maneiras para que essa ideia seja testada.

O modelo espera que a distribuição das galáxias esteja mudando de maneira muito específica ao longo das idades do universo. O Square Kilometre Array (SKA), um radiotelescópio que será construído na África do Sul e na Austrália, produzirá dados suficientes sobre o assunto para poder provar se a matéria escura, a gravidade modificada, ou mesmo este fluido escuro é responsável.

A construção do SKA começará em 2019 e uma resposta mais definida pode vir em direção a 2030. O modelo, como está atualmente, no entanto, não tem explicação para a natureza das massas negativas e sua origem, o que é uma limitação importante. A massa continua pouco entendida na física de partículas e mais trabalho é necessário. Farnes espera que sua ideia seja considerada seriamente, mesmo que não seja convencional.

“Claro, só porque a teoria não é convencional não significa que está correta! Os dados podem acabar confirmando que não há massas negativas, ou possivelmente que estamos completamente cercados por massas negativas”, declarou o Dr. Farnes. “De qualquer maneira, fico feliz se conseguirmos nos aproximar um pouco mais da compreensão da verdadeira natureza do nosso universo”, concluiu ele. [IFLS]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.