Planetas

Foi encontrado um exoplaneta mais escuro que carvão

Astrônomos descobriram um planeta tão escuro que absorve quase toda a luz que o atinge através de uma densa camada de neblina. Seus descobridores compararam ao carvão e é um dos planetas mais sombrios já descobertos. O planeta em questão, chamado WASP-104b, é um tipo de planeta conhecido como Júpiter quente.

hot-jupiter_1024

Júpiteres quentes são bem estranhos. Eles são gigantes gasosos com massas na faixa de Júpiter, ficão extremamente próximos de suas estrelas, geralmente orbitando em um período de menos de 10 dias. Devido a essa proximidade, esses planetas também são extremamente quentes. Eles não são uma raridade, mas eles têm um conjunto de características que os tornam um pouco misteriosos.

Uma deles é que os Júpiteres quentes são relativamente escuros. A maioria deles reflete cerca de 40% da luz das estrelas que os atinge. Mas ocasionalmente, os astrônomos encontraram um que seja muito mais escuro – como o WASP-12b, que no ano passado foi descoberto para absorver pelo menos 94% da luz que o atinge.

O WASP-104b é ainda mais escuro. De acordo com pesquisadores da Universidade de Keele, no Reino Unido, ele absorve mais de 97% a 99% da luz de sua estrela. “De todos os planetas sombrios que pude encontrar, este é um dos mais emocionantes”, disse Teo Mocnik, pesquisador-chefe e astrofísico.

A razão para essa escuridão provavelmente tem a ver com a proximidade do planeta à sua estrela, uma anã amarela a cerca de 466 anos-luz de distância de nós, na constelação de Leão. Como a maioria dos Júpiteres quentes, o WASP-104b é trancado no sentido horário, o que significa que um lado sempre enfrenta sua estrela hospedeira.

Então o WASP-104b tem um lado permanente do dia e lado noturno permanente – e está tão perto da estrela, uma distância de cerca de 4,3 milhões de quilômetros, que leva apenas 1,75 dias para completar uma órbita completa. Isso significa que o lado do dia é tão quente que as nuvens são tipicamente muito reflexivas, como podemos ver em Vênus.

Em vez disso, o WASP-104b tem uma atmosfera espessa e nebulosa, provavelmente contendo sódio atômico e potássio, que absorvem luz no espectro visível, tornando o planeta muito escuro no lado diurno. No lado da noite, longe da luz da estrela, nuvens podem se formar – mas esse lado nunca vê a luz do dia, então não há luz por perto para refletir.

Mas esses ainda não são os planetas mais escuros já encontrados, e estamos falando do TrES-2b, que reflete apenas 0,1% da luz que o atinge. Mas, conforme as pesquisas continuam, pode ser que o WASP-104b tenha um potencial real de contestar esse título. [ScienceAlert]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.