Planetas

Fenômeno nunca antes visto é registrado na atmosfera marciana

A sonda da NASA MAVEN descobriu um novo tipo de aurora em Marte. Está acontecendo no lado do dia do planeta, tornando as observações extremamente desafiadoras. O fenômeno é criado quando os prótons do vento solar atingem a fina atmosfera marciana, excitando o gás e fazendo com que brilhe. Esta é a primeira vez que uma aurora de prótons foi vista no Planeta Vermelho.

Como discutido na revista Nature Astronomy, a descoberta tem importantes implicações para o ambiente espacial em torno de Marte. O Planeta Vermelho não possui um campo magnético como a Terra, mas ainda pode mover o vento solar. Existe uma região de choque, onde o plasma do vento solar e da atmosfera interagem, o que afasta as partículas carregadas que o atingem.

“As auroras de prótons de Marte são mais do que um show de luzes”, disse Jasper Halekas, da Universidade de Iowa. “Elas revelam que o vento solar não é completamente desviado em torno de Marte, mostrando como os prótons podem passar despercebidos pelo impacto com a atmosfera, depositando energia e até aumentando o hidrogênio lá”, concluiu ele.

MAVEN, que significa “Atmosfera de Marte e Evolução Volátil”, estuda tanto a atmosfera quanto o ambiente espacial do Planeta Vermelho. E essa descoberta foi possível porque dois instrumentos testemunharam algo incomum ao mesmo tempo. Sempre que o Solar Wind Ion Analyzer captava um influxo de prótons do Sol, o hidrogênio na atmosfera superior de Marte era visto pelo espectrógrafo ultravioleta de imagens.

Os eventos foram obviamente conectados e deram aos pesquisadores a chave para entender o fenômeno. Como a luz é emitida e como os prótons solares podem penetrar na região? Bem, acontece que esses prótons estão cometendo um pouco de “roubo”.

“Quando eles se aproximam de Marte, os prótons que entram com o vento solar se transformam em átomos neutros, roubando elétrons da borda externa da enorme nuvem de hidrogênio ao redor do planeta”, explicou Justin Deighan, da Universidade do Colorado.

As auroras de prótons acontecem na Terra, mas devido ao forte campo magnético do nosso planeta, seu efeito é limitado a pequenas regiões acima dos pólos. [IFLS]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.