Planetas

Existe um cemitério de naves espaciais no meio do oceano

A localização mais remota na Terra chama-se “Ponto Nemo” e têm suas coordenadas exatas de 48 graus 52,6 minutos de latitude sul e 123 graus 23,6 minutos de longitude oeste. O local está a 2.250 km de qualquer ponto da terra – e é o lugar perfeito para jogar alguma a nave espacial que já não funciona mais, e é por isso que a NASA chama de “cemitério espacial”.

“Está no Oceano Pacífico e é praticamente o lugar mais distante de qualquer civilização humana que você possa encontrar”, disse a NASA. Bill Ailor, engenheiro aeroespacial e especialista em reentrada atmosférica, disse de outra forma: “É um ótimo lugar onde você pode colocar as coisas sem bater em nada”.

Essa é a localização do Ponto Nemo.
Essa é a localização do Ponto Nemo.

Para “enterrar” algo no cemitério, as agências espaciais têm que passar um tempo por esse ponto. Os satélites mais pequenos geralmente não terminam aí, pois, como explica a NASA, “o calor do atrito do ar queima o satélite quando cai para a Terra a milhares de quilômetros por hora. E assim não existe mais satélite”.

O problema é objetos maiores, como a Tiangong-1: a primeira estação espacial chinesa, lançada em setembro de 2011 e pesando cerca de 8,5 toneladas. A China perdeu o controle do laboratório orbital de 12 metros de comprimento em março de 2016, e agora está condenado a cair no início de 2018. Onde exatamente? Ninguém sabe ainda. (Atualizando: Ela já caiu e foi bem próximo desse local)

Quando isso acontecer, centenas de quilos de andaimes de titânio e tanques de combustível revestidos de fibra de vidro poderiam cair a mais 290 km/h antes de bater no chão. Como a China não tem controle de Tiangong-1, não pode garantir que a estação espacial se desintegre sobre o Ponto Nemo.

Embora nem toda a nave espacial acabe no cemitério, as chances são extremamente escassas de que qualquer um seja atingido por detritos. “Não é impossível, mas desde o início da era espacial, apenas uma mulher que foi atingida no ombro em Oklahoma e é a única pessoa que estamos cientes de que foi tocada por um fragmento de espaço”, disse Ailor.

Cerca de 4.000 satélites atualmente orbitam a Terra em várias altitudes. Há espaço para mais – até mesmo para os 4.425 novos satélites de internet que o Elon Musk e a SpaceX desejam lançar no futuro próximo.

Além de todos esses satélites, existem milhares de corpos de foguete descontrolados em órbita terrestre, juntamente com mais de 12 mil objetos artificiais maiores. [ScienceAlert]

Continue lendo...