Estrelas distantes estão lançando radiação na Terra

A cerca de 7.500 anos-luz do nosso planeta há um sistema estelar bastante impressionante dentro de uma bela nebulosa chamada Eta Carinae. Mas apesar da distância, ainda estamos sentindo seus efeitos.

Em meados do século 19, esse sistema de repente se tornou a segunda estrela mais brilhante do céu. Uma vez pensado que era uma supernova, agora achamos que esse foi o resultado das estrelas explodirem uma enorme quantidade de material.

O sistema envolto pela nebulosa.

O sistema envolto pela nebulosa.

Às vezes chamada de Grande Erupção, a causa exata desse evento não é clara. Mas agora um novo estudo publicado na Nature Astronomy usando o telescópio espacial NuSTAR da NASA descobriu que o sistema ainda está disparando partículas de alta energia, e algumas estão nos alcançando como raios cósmicos.

“Sabemos que as ondas explosivas de estrelas explodidas podem acelerar partículas de raios cósmicos a velocidades comparáveis às da luz”, disse Kenji Hamaguchi, astrofísico do Goddard Space Flight Center da NASA. “Processos semelhantes devem ocorrer em outros ambientes extremos. Nossa análise indica que Eta Carinae é uma deles”, concluiu.

Os raios cósmicos são conhecidos por atingir o nosso planeta a partir de além do Sistema Solar, mas sua carga elétrica significa que eles voam fora do curso quando atingem um campo magnético, dificultando o rastreamento de suas origens. O NuSTAR, no entanto, foi capaz de identificar algumas das radiações que vêm desse sistema para o nosso.

Eta Carinae consiste em duas grandes estrelas, 90 e 30 vezes a massa do Sol. E a cada 5,5 anos eles passam extremamente próximos uma da outra, apenas 225 milhões de quilômetros de distância – comparável à distância de Marte ao Sol.

As estrelas emitem poderosos ventos estelares como o nosso Sol, mas quando eles se aproximam, esses ventos se chocam, produzindo um notável sinal de raios X que foi detectado pelo NuSTAR. Os pesquisadores também viram uma explosão de raios gama usando o Telescópio Espacial de Raios Gama Fermi da NASA.

Aqui estão as emissões de raios-X do sistema estelar visto pelo NuSTAR.

Aqui estão as emissões de raios-X do sistema estelar vistas pelo NuSTAR.

Curiosamente, no entanto, este processo orbital não pode explicar tudo. O NuSTAR observou alguns raios X que eram três vezes mais energéticos do que aqueles que se acreditava serem produzidos pelos ventos em colisão. Estes pareciam sincronizar com quando os raios gama eram emitidos.

“Os pesquisadores dizem que a melhor explicação para o raio-X ea emissão de raios gama são os elétrons acelerados em ondas de choque violentas ao longo da fronteira dos ventos estelares em colisão”, observou a NASA. E então, esses elétrons saem do sistema e vão até a Terra. [IFLS]

Natural de Conceição do Coité, na Bahia, estudante de Comunicação Social, com ênfase em Rádio e TV, trabalha com divulgação científica na internet e é o fundador do projeto Mistérios do Espaço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *