Planetas

Cientistas observam movimentos estranhos na areia de Marte

Marte e Terra podem ter muitas coisas em comum, mas os processos que esculpem suas dunas de areia não estão entre elas. Exatamente como a areia marciana se move em torno de fendas e crateras de impacto têm sido um mistério – mas podemos finalmente ter uma ideia melhor do que está acontecendo.

Os cientistas planetários revelaram exaustivamente como os ventos violentos, a fina atmosfera, a temperatura e a topografia trabalham juntos para moldar a paisagem alienígena – e como ela difere do movimento da areia na Terra. Esta pesquisa poderia ajudar em nossos planos para a eventual viagem da humanidade a Marte.

Dunas de areia em Marte. (Créditos: NASA/JPL)

Apesar das ocasionais tempestades de poeira em todo o planeta, os ventos marcianos em geral não tendem a deslocar tanta areia quanto se poderia esperar. Isso porque a atmosfera do planeta é fina e fraca. De fato, a pressão atmosférica na superfície é de apenas 0,6% da pressão atmosférica do nível do mar na Terra. Por sua vez, isso também torna os ventos do Planeta Vermelho bastante fracos.

“Em Marte, simplesmente não há energia eólica suficiente para mover uma quantidade substancial de material ao redor da superfície”, disse o cientista planetário Matthew Chojnacki, da Universidade do Arizona. “Pode levar dois anos em Marte para ver o mesmo movimento que você normalmente vê em uma única estação na Terra”, concluiu.

Os cientistas planetários não tinham certeza se as paisagens de Marte ainda estavam se modificando constantemente. Os pesquisadores escolheram 54 campos de dunas, abrangendo 495 dunas individuais variando entre 2 e 120 metros de altura, e estudaram imagens tiradas pela câmera HiRISE da sonda Mars Reconnaissance Orbiter durante períodos entre dois e cinco anos em Marte, para mapear volumes de areia e taxas de migração de dunas.

“Queríamos saber: o movimento da areia é uniforme em todo o planeta ou é diferente em algumas regiões do que em outras?”, questionou Chojnacki. Eles então descobriram que a velocidade de migração de algumas dunas era uma média de apenas meio metro por ano – cerca de 50 vezes mais lenta do que algumas das mais rápidas dunas de areia da Terra.

O movimento de uma duna durante um ano em Marte. (Créditos: NASA/JPL)

Enquanto os pesquisadores pesquisavam areia em vários locais, incluindo crateras, fendas, cânions, crateras, planícies e bacias polares, eles descobriram que, de todas as regiões, o movimento era mais forte em três locais.

Estes eram o Syrtis Major Planum, um grande ponto escuro entre as terras baixas do norte e as terras altas do sul marciano, Hellespontus Montes, uma cordilheira que se estende por 711 quilômetros e nas áreas circumpolares da Olympia e Abalos Undae, mares de areia circulando o polo norte do planeta.

Esses três locais são bem diferentes uns dos outros, exceto por duas coisas principais: eles têm grandes transições na topografia e na temperatura da superfície.

“Esses não são fatores que você encontraria na geologia terrestre”, disse Chojnacki. “Na Terra, os fatores são diferentes de Marte. Por exemplo, a água subterrânea perto da superfície ou as plantas que crescem na área retardam o movimento das dunas de areia”, ressaltou.

Havia uma outra área com maior taxa de movimentação de areia – embora não tão alta quanto as três primeiras. Estas eram bacias cheias de poeira brilhante, que refletem fortemente a luz solar e aquecem o ar, criando correntes de convecção localizadas que movem o solo. [ScienceAlert]

Continue lendo...