Astrofísica,Estrelas

Cientistas observam colisão entre duas estrelas de nêutrons

Pela primeira vez, cientistas de todo o mundo conseguiram fotografar uma colisão entre duas estrelas de nêutrons, a 130 milhões de anos-luz de distância. O evento é chamado GW170817. E é tudo graças à astronomia de ondas gravitacionais, que identificou o evento e alertou os observatórios sobre onde procurar. Essa é a primeira observação simultânea da onda óptica e gravitacional do mesmo evento.

gravitational-waves-neutron-stars-first-time-ever-artist-impression_1024

Isso é incrível. Nunca antes conseguimos identificar de onde as ondas gravitacionais estão vindo, ou observar o evento que as causou. E é apenas a quinta detecção gravitacional de todos os tempos. As quatro detecções anteriores eram de colisões (ou fusões) entre buracos negros binários, juntando-se para formar um grande buraco negro. Havia duas razões principais pelas quais não podíamos vê-las.

A primeira foi que, até o início deste ano, nós só possuímos dois detectores – os interferômetros de LIGO em Livingston, Louisiana e em Hanford, Washington. Isso significava que os três primeiros eventos poderiam ser identificados apenas em uma área muito ampla de céu. A adição de um terceiro detector, o interferômetro de Virgem na Itália, melhorou a precisão da localização desses eventos.

A segunda foi que os buracos negros, por sua própria natureza, são invisíveis. Eles absorvem toda a luz – só podemos inferir sua existência com base em mudanças no espaço ao redor deles. As estrelas de nêutrons, por outro lado, são muito visíveis, então uma colisão entre elas foi um evento muito aguardado.

Para fazer este novo conjunto de observações, cerca de 70 observatórios terrestres e espaciais se juntaram ao LIGO e Virgo ao examinar uma pequena área do céu na constelação de Hydra, ao lado da galáxia lenticular NGC 4993.

O primeiro detector disparou em 17 de agosto às 8.41 da manhã. Então, cerca de 1,7 segundos depois, dois observatórios espaciais, o Telescópio espacial de raios gama Fermi da NASA e o Laboratório INTErnacional de Astrofísica de Gamma Rayas da ESA, captaram um intenso estouro de raios gama – os eventos mais brilhantes e energéticos do universo – da mesma área do céu.

Para a distância pela qual os observamos, a colisão final foi extremamente brilhante, emitindo uma intensa “bola de fogo” de raios gama. Você pode vê-la no vídeo abaixo. O grande ponto brilhante no centro é gálaxia NGC 4993. Acima e à esquerda, você pode ver o GW170817.

Isso não é absolutamente incrível? Isso é uma colisão entre duas estrelas de nêutrons não muito maiores do que o sol, a 130 milhões de anos-luz de distância, e você está vendo isso com seus próprios olhos. Nas próximas semanas e meses, os observatórios continuarão a fazer observações da colisão para descobrir mais sobre o evento. [ScienceAlert]

Continue lendo...