Cientistas finalmente revelam o interior de Júpiter

Quando você gasta mais de US$ 1 bilhão em uma nave espacial, espera-se valer a pena. E agora a nave espacial Juno da NASA acabou de fazer valer.

Um dos principais objetivos da missão Juno, que começou em julho de 2016, quando a sonda entrou em órbita em torno de Júpiter, foi estudar o interior desse fascinante gigante de gás. Podemos ver suas incríveis nuvens, mas nós realmente não sabíamos o que estava acontecendo dentro.

Concepção artística de Júpiter dividido em camadas.

Concepção artística de Júpiter dividido em camadas.

Bem, tudo isso muda a partir de hoje. Em uma série de quatro artigos publicados hoje na Revista Nature, os últimos resultados da nave espacial foram revelados. E, pela primeira vez, realmente temos uma boa ideia do que está acontecendo abaixo das belas nuvens do planeta.

Uma das principais descobertas é que agora sabemos o quão longe a atmosfera de Júpiter se estende, 3.000 quilômetros apenas de nuvens, o que é muito maior do que o esperado. Uma vez que você alcança essa profundidade, a composição do planeta muda drasticamente.

A essa profundidade, o interior do planeta muda para se comportar como um sólido – embora na verdade não seja sólido. Em vez disso, é uma mistura fluida de hidrogênio e hélio que gira como um corpo sólido.

“Nossos resultados também mostram que abaixo desses ventos de 3.000 quilômetros, o planeta gira como um corpo rígido, e toda essa informação tem profundas consequências em nosso entendimento sobre o interior do planeta e, por sua vez, nos permite aproximar-nos da compreensão de sua formação “, disse Yamina Miguel, da Universidade de Leiden, na Holanda.

Júpiter é famoso por suas nuvens que podemos ver cobrindo o planeta, primeiro vistas por Galileo há 400 anos. Mas no seu núcleo, a pressão é cerca de 100.000 vezes a pressão que vemos na Terra.

Os pesquisadores também descobriram que a atmosfera de Júpiter contém apenas cerca de 1% da massa do planeta, equivalente a cerca de três terras, o que é uma quantidade enorme.

“O resultado é uma surpresa, porque isso indica que a atmosfera de Júpiter é maciça e se estende muito mais do que esperávamos anteriormente”, disse Yohai Kaspi, do Instituto Weizmann de Ciência, Rehovot, em Israel.

Nosso conhecimento de gigantes de gás está amplamente aumentado em 2018. E isso é importante por uma série de razões, principalmente porque muitos dos planetas que estamos encontrando fora de nosso Sistema Solar são gigantes de gás. Se pudermos entender o nosso, poderemos entender muito mais sobre os planetas em outros lugares. [IFLS]

Natural de Conceição do Coité, na Bahia, estudante de Comunicação Social, com ênfase em Rádio e TV, trabalha com divulgação científica na internet e é o fundador do projeto Mistérios do Espaço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *