Planetas

Cidade chinesa quer lançar uma nova lua para Terra

As ruas de Chengdu, no oeste da China, poderão em breve ser iluminadas por uma lua artificial durante a noite, em vez das mais convencionais luzes de postes. Esse é um plano ambicioso de uma empresa aeroespacial privada.

A ideia é economizar uma grande soma em custos de eletricidade, de acordo com Wu Chunfeng, presidente do Instituto de Pesquisas Microeletrônicas do Sistema de Ciência e Tecnologia de Chengdu, que está por trás do esquema. Em vez de usar energia aqui na Terra, o satélite refletiria os raios do Sol do outro lado do planeta para a cidade.

Os detalhes sobre o projeto ainda são superficiais, mas parece que os painéis solares teriam um revestimento reflexivo especial que seria usado ​​para redirecionar os raios solares do espaço. A iluminação no solo seria cerca de oito vezes maior que a Lua real.

Falando em uma conferência de empresários, Wu disse que o satélite permitirá que a luz seja cuidadosamente controlada e mantida em uma área de 10 a 80 quilômetros de diâmetro. A luz não seria forte o suficiente para interferir nas atividades noturnas da vida selvagem – ou pelo menos não mais do que luzes de postes. E o brilho que a falsa lua criaria também seria uma atração turística para a área, de acordo com os desenvolvedores.

Aparentemente, a tecnologia necessária já foi testada e o próprio satélite pode estar pronto para entrar em órbita já em 2020. E você pode achar a ideia uma loucura, mas acredite, na verdade tem alguma precedência: na cidade norueguesa de Rjukan, que é tão funda em um vale que não recebe luz solar nos meses de inverno, três espelhos controlados por computador ficam em cima de uma montanha próxima para refletir raios do sol para a cidade.

Agora teremos que esperar alguns anos para ver se essa ideia realmente decolará – mas, por enquanto, adicione-a à lista de idéias espantosas e maravilhosas de inovação espacial que os cientistas estão explorando. [ScienceAlert]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.