Estrelas

Betelgeuse para de escurecer e está voltando a brilhar

Chegou a última rodada de observações da estrela Betelgeuse, e o escurecimento que alguns estavam relatando como precursor da supernova parou e agora há evidências de que o brilho está. Isso significa que a estrela não está chegando a um fim prematuro, como alguns esperavam, mas todo mundo ainda está um pouco confuso sobre o motivo de a estrela ter escurecido tão profundamente nos últimos meses.

Betelgeuse, localizada na constelação de Órion, a cerca de 600 anos-luz de distância, já está muito velha para uma estrela desse tipo. Ela passou seus principais anos de seqüência – com um núcleo ativo fundindo átomos de hidrogênio – como uma estrela quente, luminosa e branco-azulada, com cerca de 10 a 25 vezes a massa do Sol. Essas estrelas vivem furiosamente e têm uma vida relativamente curta.

Betelgeuse tem agora entre 8 e 8,5 milhões de anos e é uma supergigante vermelha. Até agora, Betelgeuse ficou sem hidrogênio em seu núcleo e está fundindo hélio em carbono e oxigênio. O núcleo também se contraiu, o que traz mais hidrogênio para a região imediatamente ao redor do núcleo, formando uma concha de hidrogênio; essa concha de hidrogênio se funde em hélio, que é despejado no núcleo para alimentar a fusão de hélio.

Eventualmente, o núcleo da estrela fundirá elementos cada vez mais pesados, resultando em um acúmulo de ferro que causará o colapso do núcleo – e a estrela então explodirá. No entanto, os astrônomos previram que Betelgeuse ainda está a algumas dezenas de milhares de anos a partir desse ponto.

Antes de sua explosão agonizante, a estrela deve escurecer rapidamente antes de iluminar espetacularmente o céu aqui na Terra. Embora Betelgeuse tenha brilho variável, seu escurecimento recente foi muito mais profundo do que qualquer outro observado anteriormente. Portanto, é compreensível que as pessoas tenham ficado um pouco empolgadas.

Agora, em vez da belíssima explosão que todos esperávamos ver em nossas vidas, mesmo que fosse improvável, Betelgeuse parece estar simplesmente retornando a um nível de brilho mais normal, com um tempo consistente com o ciclo de variabilidade da estrela.

A grande questão permanece: o que causou o escurecimento? As possibilidades estão sendo investigadas pelos astrônomos. Um deles é o resfriamento na superfície estelar. Algo realmente estranho teria que estar acontecendo em Betelgeuse para que isso acontecesse, mas não é impossível.

(Créditos: ESO)

Outra possível explicação é uma nuvem de poeira gigante sendo ejetada da estrela em nossa direção. Estrelas na fase gigante vermelha criam e ejetam grandes quantidades de material, muito antes de se tornarem supernovas, e imagens infravermelhas mostram Betelgeuse cercada por nuvens de poeira. Você pode vê-las na imagem acima.

“Observações de todos os tipos continuam sendo necessárias para entender a natureza desse episódio de escurecimento sem precedentes e o que essa estrela surpreendente fará a seguir”, escreveram os astrônomos no The Astronomer’s Telegram.

Traduzido e adaptado de ScienceAlert
Por Michelle Starr

Continue lendo...