Estrelas

Astrônomos encontram estrela salgada na constelação de Órion

Os astrônomos usaram o poderoso complexo de telescópios ALMA e encontraram vestígios de sal de cloreto de sódio em um anel de detritos ao redor de uma enorme estrela jovem a 1.500 anos-luz da Terra.  A estrela se formou em um berçário de estrelas na Constelação de Órion.

“É incrível vermos essas moléculas”, disse Adam Ginsburg, membro do Observatório Nacional de Radioastronomia (NRAO) em Socorro, no Novo México. “Como só vimos esses compostos nas camadas externas de estrelas que estão morrendo, não sabemos totalmente o que nossa nova descoberta significa. A natureza da detecção, no entanto, mostra que o ambiente ao redor desta estrela é muito incomum”, concluiu.

O disco salgado descoberto pelo ALMA.

A estrela em questão, conhecida como Open Source 1, e se formou em uma região de nascimento de estrelas explosivas, conhecida como Orion Molecular Cloud Complex. A jovem estrela aparentemente foi ejetada de uma das duas enormes nuvens que compõem o complexo há cerca de 550 anos. As observações do ALMA sugerem que a quantidade de sal no disco é aproximadamente equivalente à massa combinada dos oceanos da Terra.

As observações incluem cerca de 60 vestígios espectrais de compostos salinos. Essas detecções podem fornecer ainda novas pistas sobre como as estrelas jovens aquecem seus discos protoplanetários, regiões onde há nuvens de matéria ao redor de uma estrela.

“É possível que grãos sólidos de sal tenham sido vaporizados por ondas de choque enquanto a estrela e seu disco foram abruptamente acelerados por um encontro próximo ou colisão com outra estrela”, disse John Bally, da Universidade do Colorado.

O anel de sal está a uma distância de 30 a 60 UA (Unidades Astronômicas – 1 UA é equivalente a distância Terra-Sol) da Open Source 1. E essa é a primeira observação de sais em torno de uma estrela tão jovem. [AstronomyNow]

Continue lendo...