Exoplanetas

Astrônomos confirmam a existência de um exoplaneta sem atmosfera

Nos últimos anos, pesquisadores descobriram vários de planetas rochosos que orbitam anãs vermelhas, pequenas estrelas com um raio 60% menor que o nosso Sol. Apesar de seu tamanho, essas estrelas são muito ativas – tanto que muitos acreditam que os planetas ao redor deles podem ter dificuldades para manter uma atmosfera. Agora, uma nova pesquisa publicada na revista Nature reforça essa ideia.

Concepção artística. (Créditos: Reprodução)

Uma equipe de astrônomos analisou 100 horas de observações do exoplaneta LHS 3844b para identificar sinais de uma atmosfera. Eles confiantemente descartaram uma atmosfera densa (10 vezes o que temos na Terra) e uma atmosfera menos densa. O modelo que melhor se ajusta aos dados diz que é um planeta rochoso estéril, semelhante a Mercúrio, mas com um dia mais quente de 770 °C.

“Esta é a primeira vez que conseguimos dizer conclusivamente se um exoplaneta rochoso tem uma atmosfera ou não”, disse Laura Kreidberg, principal autora do estudo e bolsista do Clay for the Center for Astrophysics, de Harvard.

O planeta tem um raio de cerca de 1,3 vezes o da própria Terra e orbita uma anã vermelha chamada LHS 3844, localizada a 48 anos-luz de distância, na constelação de Indus. Foi um dos primeiros exoplanetas descobertos pelo Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) da NASA, depois de lançado no ano passado.

O planeta orbita a estrela em 11 horas, a apenas 10 milhões de quilômetros de distância dela. Isso é cerca de 7% da distância entre a Terra e o Sol. Mesmo que sua estrela seja muito mais fraca que o nosso Sol, o exoplaneta recebe muito mais radiação.

A questão agora é se esta nova pesquisa é aplicável a planetas do tamanho da Terra semelhantes, como Proxima b ou os planetas TRAPPIST-1, que foram descobertos nos últimos anos. Estes planetas estão mais longe de suas estrelas do que o LHS 3844b. Por serem menos irradiados, eles poderiam ter mais sorte em manter sua atmosfera contra a erosão do vento estelar.

O estudo da falta de atmosfera deste planeta foi realizado com o observatório infravermelho da NASA Spitzer, cuja missão está prestes a terminar. O muito avançado substituto para isso, o Telescópio Espacial James Webb (JWST), provavelmente estará no espaço em 2021. Estimativas recentes sugerem que a excelente capacidade do JWST levará a observações rápidas de atmosferas do planeta do tamanho da Terra. [IFLS]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.