Planetas

A Estação Espacial Internacional poderá ser abandonada

As consequências do lançamento fracassado do foguete Soyuz de ontem estão crescendo à medida que são levantadas questões sobre o futuro da Estação Espacial Internacional (ISS).

O astronauta da NASA Nick Hague e o cosmonauta russo Alexey Ovchinin tiveram a sorte de escapar com suas vidas após o foguete ter enfrentado um problema no caminho para a ISS, resultando em um pouso de emergência na Terra.

[expander_maker id=”4″ more=”CONTINUE LENDO” less=”MOSTRAR MENOS”]

Eles deveriam se juntar a três tripulantes da ISS – Serena Auñon-Chanceler, dos EUA, Alexander Gerst, da Alemanha, e Sergey Prokopyev, da Rússia – que deveriam retornar à Terra em dezembro.

Mas o lançamento fracassado de ontem significa que o projeto Soyuz – atualmente a única maneira de os astronautas chegarem à ISS – está parado enquanto uma investigação sobre o acidente continua em andamento.

A ISS têm sido continuamente tripulada desde 2 de novembro de 2000, com até seis tripulantes vivendo na estação. A estação conta com lançamentos contínuos para manter a atualização da tripulação e manter o ISS operacional. Os três tripulantes à bordo da ISS têm uma Soyuz ancorada na estação para retornar à Terra. Essa espaçonave só tem uma vida útil operacional de 200 dias até o início de janeiro de 2019, o que significa que eles devem retornar a Terra até lá.

Isso poderia significar que, se outra Soyuz não estiver pronta para voar em janeiro, a ISS poderia ficar sem tripulação. E duas novas espaçonaves norte-americanas para o lançamento de humanos, construídas pela SpaceX e Boeing, não devem começar a operar até meados de 2019, no mínimo.

Ninguém vai querer que a ISS permaneça inativa, mas igualmente importante é prevenir outro acidente. Por enquanto, é um jogo de espera para ver quais opções estarão disponíveis. Enquanto isso, o futuro recente da ISS está em jogo. [IFLS][/expander_maker]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.