Planetas

Sonda Voyager 2 está prestes a perder contato com a Terra

É solitário lá fora, no espaço profundo. Especialmente quando uma nave espacial viajou tão longe para o vasto vazio, o espaço interestelar é agora tudo o que realmente pode chamar de lar. Esse sempre foi o destino da Voyager 2, a espaçonave que foi lançada há mais de 40 anos e agora permanece como a missão espacial de maior duração da NASA.

(Créditos: NASA)

A NASA anunciou que a Estação Espacial Profunda 43 (DSS-43) – a única antena na Terra que pode enviar comandos para a sonda Voyager 2 – está em silêncio, e não por pouco tempo.

A antena gigante, localizado na Austrália, e aproximadamente do tamanho de um prédio de 20 andares, exige atualizações críticas, diz a agência espacial. As instalações de Canberra estão em serviço há quase 50 anos, portanto, não é de surpreender que o hardware antigo precise de manutenção.

No entanto, o trabalho tem um custo. Por aproximadamente 11 meses – até o final de janeiro de 2021, quando os reparos devem ser concluídos – a Voyager 2 estará totalmente sozinha, indo em direção ao desconhecido em um modo de operação inativo, projetado para economizar energia e manter a sonda em andamento até a antena volte a ficar online.

“Colocamos a sonda de volta a um estado em que tudo ficará bem, supondo que tudo corra normalmente durante o tempo em que a antena estiver inoperante”, explica a gerente de projeto da Voyager, Suzanne Dodd, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA. “Se as coisas não correrem normalmente – o que é sempre uma possibilidade, especialmente com uma espaçonave envelhecida -, a proteção de falhas a bordo existente poderá lidar com a situação”, ressaltou.

Durante esse período de quase um ano de silêncio no rádio, o silêncio será apenas de mão única. Outras antenas do Complexo de Comunicação do Espaço Profundo de Canberra (CDSCC) serão configuradas para receber quaisquer sinais que o Voyager 2 transmita à Terra, mas não poderemos dizer nada de volta, mesmo que seja necessário.

De acordo com a agência espacial, as maiores incógnitas são se os sistemas automatizados de controle de impulso da Voyager 2 – que disparam várias vezes ao dia para manter a antena da sonda voltada para a Terra – funcionarão com precisão por um período tão longo e se os sistemas de energia projetados para manter a Voyager suficientemente aquecidas também farão seu trabalho.

O novo desafio ocorre apenas alguns dias depois que a NASA confirmou que a sonda havia retomado as operações normais após um susto em janeiro, quando uma anomalia acionou as proteções de falhas da Voyager. Esperamos que os próximos 11 meses sejam igualmente bem-sucedidos para a distante Voyager 2, atualmente localizada a mais de 17 bilhões de quilômetros da Terra. [ScienceAlert]

Continue lendo...