Astrofísica

Satélite da NASA captura pela primeira vez buraco negro devorando estrela

Pela primeira vez, o satélite de pesquisa Transiting Exoplanet Survey (TESS), da NASA, observou um buraco negro despedaçar uma estrela em um fenômeno cataclísmico chamado de evento de perturbação das marés. Por exemplo, o próprio buraco negro da nossa galáxia pode fazer algo assim apenas algumas vezes a cada 100.000 anos.

Portanto, é uma ocasião bastante especial para os astrônomos que acabaram de observar as consequências imediatas desse evento devorador. De fato, essa nova observação é a mais antiga que já vimos acontecer.

Ilustração de um buraco negro supermassivo devorando uma estrela. (Créditos: NASA/JPL-Caltech)

Isso significa que poderíamos observá-lo com vários telescópios. Por sua vez, essas observações forneceram uma tremenda riqueza de dados que podem ajudar a refinar nossa compreensão de como os buracos negros supermassivos devoram estrelas – o que é conhecido como TDEs (Evento de perturbação das marés, em português). Este TDE em particular ocorreu em torno de um buraco negro supermassivo 6,3 milhões de vezes a massa do Sol, em uma galáxia chamada 2MASX J07001137-6602251, a cerca de 375 milhões de anos-luz de distância.

E aconteceu que esse TDE ocorreu no minúsculo pedaço do céu sendo continuamente observado pelo telescópio de caça ao planeta da NASA. Quando TESS notou algo no céu ficando mais brilhante, os astrônomos foram alertados imediatamente e entraram em ação para transformar vários telescópios em direção a 2MASX J07001137-6602251.

Com certeza, o buraco negro supermassivo havia capturado uma estrela, com a intensa gravidade despeçando a estrela. A equipe ainda não determinou a massa da vítima, mas o evento foi tão enérgico que produziu um pico de luz acima de 10 ordens de magnitude mais brilhante que o Sol – e quatro vezes mais brilhante que sua galáxia hospedeira.

O evento – chamado ASASSN-19bt – foi detectado pela primeira vez pelo TESS em 29 de janeiro de 2019. Como parecia vir da região central da galáxia hospedeira, era necessário um olhar mais atento. Em 31 de janeiro, a equipe estudou a região usando o Espectrógrafo de Pesquisa de Baixa Dispersão 3 (LDSS-3), montado no telescópio Magellan Clay no Chile.

Isso revelou que o evento provavelmente era um TDE e mais observações foram feitas; o Observatório Swift da NASA fotografou o evento em raios ultravioleta e raios-X; o ESA XMM-Newton pegou espectros; e telescópios terrestres no Observatório Las Cumbres tiraram imagens ópticas.

A equipe continuou a monitorar o ASASSN-19bt por três meses após o pico e publicará seus resultados em um artigo separado. Ele marcará o conjunto de dados mais completo e abrangente já publicado para um evento de perturbação das marés. Enquanto isso, os dedos permanecem cruzados para que o TESS tenha essa sorte novamente, para que os cientistas tenham um conjunto de dados separado para comparação. [ScienceAlert]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.