Plutão pode ser um planeta depois de tudo

Plutão, o oprimido do Sistema Solar, foi “rebaixado” de um planeta para um planeta anão pela União Astronômica Internacional (IAU) em 2006, depois que eles contestaram que o pobre velho Plutão não se encaixava em seus novos critérios para ser um planeta verdadeiro. Desde a controversa decisão, as legiões de fãs leais de Plutão e muitos astrofísicos têm lutado contra a decisão.

xCmzTIx

A definição da IAU de 2006 exige que um corpo celeste passe por três definições antes que possa ser chamado de planeta. Primeiro, deve estar em órbita ao redor do Sol. Em segundo lugar, deve ter autogravidade suficiente para ter uma forma redonda (ou quase redonda). Finalmente, tem que ter limpado a região em torno de sua órbita. Uma vez que Plutão é cercado por um enxame de outros objetos semelhantes a si mesmo, ele não se encaixa com a definição e, portanto, não é um planeta verdadeiro, argumentam eles.

Alan Stern e David Grinspoon, pesquisador e astrobiólogo, escrevem que a definição foi “desenhada apressadamente” e contém “falhas óbvias”. Afinal, isso significaria que a Terra não é um planeta porque tem muitos asteroides em sua vizinhança que não foram limpos. Além disso, a definição não considera os exoplanetas, os inúmeros planetas que vivem além do nosso próprio Sistema Solar. Quanto mais desses exoplanetas descobrimos, mais essa definição parece desnecessariamente apertada.

Em vez disso, eles argumentam que o termo “planeta” deveria ser usado para descrever mundos com propriedades geofísicas interiores, e não apenas propriedades orbitais.

“Usamos ‘planeta’ para descrever mundos com certas qualidades”, explica Stern e Grinspoon. “Quando vemos um como Plutão, com suas muitas características familiares – montanhas de gelo, geleiras de nitrogênio, um céu azul com camadas de fumaça – nós e nossos colegas naturalmente nos encontramos usando a palavra ‘planeta’ para descrevê-lo e compará-lo a outros planetas que conhecemos e amamos”, concluiu ele.

 

Até mesmo o apresentador da série atual Cosmos, Neil deGrasse Tyson, já havia argumentado no “The Late Show with Stephen Colbert” que Plutão não é um planeta. Depois de notar que a órbita de Plutão ocasionalmente cruza a de Netuno: “Isso não é um tipo de comportamento para um planeta. Não!”

Uma coisa é certa, o debate em torno se Plutão é ou não um planeta está longe de acabar. [IFLS]

Natural de Conceição do Coité, na Bahia, estudante de Comunicação Social, com ênfase em Rádio e TV, trabalha com divulgação científica na internet e é o fundador do projeto Mistérios do Espaço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *