Planetas

Novo objeto interestelar pode ter chegado ao sistema solar

No dia 30 de agosto, os astrônomos do Observatório Astrofísico da Crimeia detectaram o que parecia um cometa perfeitamente comum. No entanto, algo parecia estar diferente. Os pesquisadores agora acham que o objeto atualmente conhecido como gb00234 tem uma órbita hiperbólica, o que significa que provavelmente vem de fora do Sistema Solar. Melhor ainda, está chegando mais perto e, até o final do ano, poderia estar tão claro que você poderá vê-lo com um telescópio comum.

As estimativas do caminho da gb00234 estão sujeitas a alterações à medida que mais dados são recebidos, mas a hipérbole verde indica a melhor estimativa que temos. (Créditos: Reprodução)

A descoberta de Oumuamua em 2017 foi algo histórico, a primeira vez que a humanidade observou conscientemente um visitante  de fora do Sistema Solar. O fato de ser um objeto tão incomum, com uma relação comprimento/largura maior do que qualquer cometa ou asteroide local, aumentou a emoção – até alguns afirmavam que se tratava de uma espaçonave alienígena, embora poucos astrônomos levem essa ideia a sério depois que nenhum sinal de rádio foi emitido.

Havia, no entanto, um aspecto decepcionante em todo o evento. Percebemos apenas como a órbita de Oumuamua era incomum quando ele já passava do Sol e estava saindo do nosso sistema, limitando as oportunidades de estudo. Se gb00234 for realmente interestelar, desta vez as coisas serão muito diferentes. O Gb00234 está a caminho e fará sua abordagem mais próxima do Sol no final deste ano ou no início de 2020.

Imagem resultado das primeiras observações. (Créditos: @katsumi_comet/Twitter)

Ainda existem pontos de interrogação sobre o status interestelar de gb00234 porque ele está atualmente em torno de 3,5 unidades astronômicas do Sol. Além disso, como todos os cometas, é ligeiramente difuso, em vez de um ponto nítido, o que dificulta medições precisas de sua posição. No entanto, os dados que temos agora sugerem que isso tem uma velocidade no espaço interestelar maior que a de Oumuamua e uma excentricidade muito maior – duas medidas usadas para identificar objetos de fora do Sistema Solar.

O brilho dos cometas é notoriamente difícil de prever – gerações de astrônomos amadores ficaram desapontados com aqueles cometas que não cumpriram as expectativas. No entanto, existe uma grande chance de que este objeto interestelar seja visível em pequenos telescópios amadores. Nesse caso, é provável que o Hemisfério Sul obtenha a melhor visão no futuro. [IFLS]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.