Nova sonda da NASA registra imagem de tirar o fôlego

A próxima geração de caçadores de planetas, a TESS, está atualmente em fase de teste antes de começar a fazer ciência. Mas mesmo durante essa tarefa “fácil”, a espaçonave da NASA produziu algumas observações impressionantes. Em particular, o telescópio foi capaz de observar um cometa que só foi descoberto há algumas semanas.

O objeto, conhecido como cometa C/2018 N1, foi descoberto pelo satélite NEOWISE (Near-Earth Object Infrared Survey Explorer) em 29 de junho e foi observado pela TESS em 25 de julho. NEOWISE é dedicado a detectar asteroides e cometas que pode estar orbitando perto do nosso planeta. O C/2018 N1 está localizado a 48 milhões de quilômetros da Terra, que é aproximadamente um terço da distância entre a Terra e o Sol.

Em caso de imagem parada, veja o GIF aqui.

A órbita do cometa passa entre a Terra e Marte, com a aproximação mais próxima do Sol ocorrendo em 2 de agosto de 2018. As primeiras observações sugerem que o cometa leva mais de 10.000 anos para completar uma viagem ao redor de nossa estrela. As observações da TESS, embora não sejam cientificamente inovadoras, mostram a mudança de cauda do cometa na posição em que ele responde à influência do vento solar.

A TESS estará procurando por exoplanetas em torno de 500.000 estrelas pequenas usando o método de trânsito, que envolve a procura de variações sutis na luz dessas estrelas. Para conseguir isso, é obrigatório que a nave possa produzir imagens periódicas estáveis ​​sobre uma ampla região do céu. A nova observação, que inclui apenas uma pequena parte do campo de visão do telescópio, mostra o que pode ser alcançado com a TESS.

E há mais na imagem do que apenas o cometa. O telescópio avistou muitas estrelas, piscando em preto e branco como resultado da técnica de processamento de imagens usada. Essa cintilação pode nos ajudar a identificar estrelas variáveis, cuja luz pode estar mudando devido a uma estrela companheira se movendo na frente delas, ou a processos internos, como pulsação e rotação rápida. A imagem também mostra alguns asteroides se movendo pelo céu.

A TESS, sigla em inglês para Transiting Exoplanet Survey Satellite, completou sua fase de testes e iniciou sua operação científica com seriedade. Espera-se que a TESS detecte mais de 20.000 exoplanetas em trânsito, incluindo entre 500 e 1.000 planetas sendo super-Terras. [IFLS]

Natural de Conceição do Coité, na Bahia, estudante de Comunicação Social, com ênfase em Rádio e TV, trabalha com divulgação científica na internet e é o fundador do projeto Mistérios do Espaço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *