NASA se comunica com sonda fora do Sistema Solar

Na escuridão fria do espaço interestelar, muito além do cinturão de Kuiper, a Voyager 1 continua sua jornada tão distante da Terra quanto possível. No momento, ela está a mais de 20 bilhões de quilômetros do nosso planeta – cerca de 140 vezes a distância entre o Sol e a Terra. E ainda podemos nos comunicar com ela.

nasa-voyager-1-thrusters-dormant_1024

Na semana passada, cientistas da NASA enviaram instruções para ativar propulsores reservas que ficaram inativos há 37 anos. Levou 19 horas e 35 minutos para que eles a ouvissem de volta. “A equipe da Voyager ficou entusiasmada com cada etapa no teste de propulsão. O clima era de alívio e alegria”, disse Todd Barber, engenheiro de propulsão.

Por mais de 40 anos, desde o lançamento da Voyager 1 em 5 de setembro de 1977, o controle da sonda têm sido o trabalho dos principais propulsores. O espaço é um vácuo, então a nave não precisa de propulsão, mas precisa permanecer orientada de maneira muito específica para a sua antena de alto ganho permanecer apontada para a Terra, e assim possamos nos comunicar com ela.

Isto é o que os propulsores fazem: Eles operam em pulsos de milissegundo para manter a Voyager alinhada, com um pequeno impulso de apenas 85 gramas de alta precisão. Mas ao longo de décadas, esses propulsores gradualmente foram perdendo eficiência ao ponto de exigirem cada vez mais sopros para entregar os mesmos ajustes de alinhamento.

É por isso que, quando você está enviando algo para o espaço onde você nunca pode recuperá-lo para reparos, é uma boa ideia incluir adicionais – neste caso, a Voyager 1 possui propulsores a mais que foram usados para manobras de correção de trajetória.

“Com esses propulsores que ainda são funcionais após 37 anos sem uso, poderemos ampliar a vida da nave espacial Voyager 1 em dois ou três anos”, disse Suzanne Dodd, gerente de projeto da Voyager. [ScienceAlert]

Sou natural de Conceição do Coité, na Bahia e atualmente trabalho com a divulgação científica na internet, principalmente nas páginas Universo Racionalista e Mistérios do Espaço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *