Eventos Astronômicos,Planetas

Fenômeno surge em Júpiter e não podemos explicá-lo

Os cientistas descobriram um misterioso novo tipo de aurora em Júpiter, o que não parece se encaixar em nenhum dos nossos modelos existentes. E os cientistas estão insinuando que algo desconhecido está acontecendo no planeta.

Dirigido por Barry Mauk, do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins em Maryland, os pesquisadores usaram dados da nave espacial Juno da NASA, atualmente em na órbita de Júpiter, para estudar a aurora do gigante de gás.

content-1504698651-3-pj3-north-aurora-gladstone-bonfond

O que você provavelmente achou confuso, é a aurora mais brilhante de Júpiter e parece ser alimentada por um processo que nunca foi antes visto. Esta aurora pode ter um poder de cerca de 1.000 miliwatts por metro quadrado, em comparação com apenas 10 ou 20 miliwatts por metro quadrados de uma aurora terrestre.

“Definitivamente está acontecendo algo que não entendemos”, disse Mauk. “Estamos vendo algo novo aqui”, concluiu.

Então o que está acontecendo? Vamos explicar. Na Terra, temos 3 tipos de aurora. As mais brilhantes – responsáveis pelos icônicos padrões aurorais ondulantes. Depois, há um tipo muito mais fraco, chamado de Alfvénic, que você não pode ver a olho nu, e uma outra ainda mais fraca.

As auroras mais brilhantes e discretas são causadas por um fluxo descendente de elétrons em nosso campo magnético resultante do vento solar. Isso causa potenciais elétricos na ordem de vários milhares de volts em nossa atmosfera.

Em Júpiter, as coisas são diferentes. Os potenciais elétricos nos pólos de Júpiter são 10 a 30 vezes maiores que os observados na Terra, até 400.000 volts. Mas a aurora mais brilhante não pode ser explicada por nenhum desses processos citados.

“Em Júpiter, as auroras mais brilhantes são causadas por algum tipo de processo de aceleração turbulenta que não entendemos muito bem”, disse Mauk.

Na Terra, a fonte de energia de nossas auroras é o vento solar, que sopra sobre nosso campo magnético e age como um gerador gigante. Em Júpiter, no entanto, a fonte de energia é a rotação do próprio planeta, ou seja, todo o poder vem da sua rotação.

Mas a descoberta deste novo tipo de aurora joga nossos modelos pela janela. A rotação de Júpiter, que age como um gerador, não pode explicar como se forma. Algo mais deve estar acontecendo. O que é isso, ainda não sabemos.

Isso poderia ter implicações para estudar estrelas e planetas fora do Sistema Solar. Se houver algum tipo de processo completamente novo, podemos sugerir que existem fenômenos nos campos magnéticos planetários ou estelares que simplesmente não encontramos anteriormente.

Os cientistas, agora, usarão mais dados para tentar chegar ao fundo da misteriosa aurora. Nós já sabíamos que Júpiter era bastante estranho. Agora, ficou mais estranho ainda. [IFLS]

Continue lendo...