Astrobiologia,Exoplanetas

Descoberto o exoplaneta mais parecido com a Terra até hoje

Uma equipe internacional de cientistas descobriu um exoplaneta emocionante do tamanho da Terra, capaz de suportar água líquida. O exoplaneta, chamado Kepler-1649c, orbita sua pequena estrela anã vermelha dentro da zona habitável do sistema, em uma distância na qual planetas rochosos recebem radiação estelar suficiente para permitir a existência de água no estado líquido.

(Créditos: NASA/Daniel Rutter)

É quase exatamente do mesmo tamanho da Terra e recebe 75% da quantidade de luz que a Terra recebe do Sol. Em outras palavras, é um mundo distante que é o mais provável do que muitos outros para sustentar a vida.

A 300 anos-luz, é o mais semelhante à Terra em tamanho e temperatura estimada entre os milhares de exoplanetas descobertos pelo telescópio espacial Kepler. Mas ainda restam muitas perguntas antes que possamos dizer definitivamente que o planeta é capaz de sustentar a vida. Por um lado, não sabemos como é a atmosfera – o principal determinante da temperatura da superfície do planeta.

A equipe fez a descoberta enquanto analisava observações mais antigas do programa de Telescópio Espacial Kepler, agora já aposentado. O Kepler-1649c orbita sua estrela a uma distância extremamente curta – uma revolução/translação completa leva apenas 19,5 dias terrestres – ao lado de um planeta rochoso de tamanho semelhante que orbita a metade da distância do Kepler-1649c.

Os dois planetas rochosos orbitam sua estrela hospedeira em uma proporção exata, onde o Kepler-1649c completa nove órbitas quase exatamente no mesmo tempo em que o planeta interior completa quatro órbitas. Os pesquisadores acreditam que isso pode tornar o sistema extremamente estável por um longo período de tempo.

“Quanto mais dados obtemos, mais sinais vemos apontando para a noção de que exoplanetas potencialmente habitáveis ​​e do tamanho da Terra são comuns em torno desse tipo de estrela”, disse Andrew Vanderburg, pesquisador da Universidade. do Texas e principal autor do artigo publicado no The Astrophysical Journal Letters, em comunicado. “Com as anãs vermelhas em quase toda a parte da nossa galáxia e esses planetas pequenos, potencialmente habitáveis ​​e rochosos ao seu redor, a chance de um deles não ser muito diferente da nossa Terra parece um pouco mais brilhante”, acrescentou.

Traduzido e adaptado de ScienceAlert/Futurism
Por Victor Tangermann

Continue lendo...