Astrofísica

Descoberto novo buraco negro com característica incrível

Pesquisadores descobriram um buraco negro supermassivo girando a 50% da velocidade da luz. Esta incrível descoberta é relatada na última edição da revista Science e está sendo apresentada na 233ª reunião da American Astronomical Society.

A história que levou a essa descoberta começou em 22 de novembro de 2014. Naquela noite, os astrônomos descobriram um buraco negro supermassivo, rasgando uma estrela, produzindo um clarão de luz. Esse fenômeno é conhecido como um “evento de ruptura das marés” (TDE), e esse em particular – o ASASSN-14li – fascina os cientistas desde então.

Existem duas razões para todo esse fascínio. O ASASSN-14li é um espécime perfeito de explosões de ruptura das marés, concordando com muitas previsões teóricas. Além disso, a emissão repetida de raios X ilumina e diminui a cada 131 segundos. Essa emissão têm sido visível por pelo menos 450 dias, que é como os pesquisadores conseguiram descobrir o buraco negro girando sobre si mesmo em cerca de 150.000 km/s (metade da velocidade da luz – 300.000 km/s).

“Isso não é super rápido – há outros buracos negros com velocidades estimadas em 99% da velocidade da luz”, disse Dr. Dheeraj Pasham do MIT. “Mas esta é a primeira vez que somos capazes de usar explosões de ruptura das marés para estudar giros de buracos negros supermassivos”, concluiu.

A equipe modelou diferentes cenários para explicar o fenômeno. É possível que o buraco negro supermassivo seja orbitado por uma anã branca na “órbita circular estável mais interna”, o último caminho seguro para um material antes de mergulhar no buraco negro. Se assim for, esta anã branca deve ter estado lá antes do evento 2014, quando o buraco negro supermassivo rasgou a estrela.

“O problema com este cenário é que, se você tem um buraco negro com uma massa que é 1 milhão de vezes maior do que a do Sol, e uma anã branca está circulando, então em algum momento ao longo de algumas centenas de anos, a anã branca mergulhe no buraco negro”, diz Pasham.

De uma maneira geral, entender os TDEs e os buracos negros ajuda os astrônomos a descobrir muitos dos efeitos que esses objetos incríveis têm em suas galáxias hospedeiras. [ScienceAlert]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.