Exoplanetas

Astrônomos encontram super-Terra a 25 mil anos-luz de distância

Pode have milhares de planetas semelhantes à Terra espalhados por toda a Via Láctea, mas eles não são tão fáceis de encontrar. Até o momento, apenas cerca de um terço dos mais de 4.000 exoplanetas encontrados e confirmados são rochosos – e a maioria deles fica a alguns milhares de anos-luz da Terra.

Impressão artística de uma super-Terra. (Créditos: ESO)

Portanto, o anúncio de um novo exoplaneta rochoso é sempre emocionante – mas esse exoplaneta rochoso recém-descoberto em particular é ainda mais emocionante. Pertencente ao subconjunto muito menor de exoplanetas rochosos que orbitam a uma distância semelhante à Terra de sua estrela, está localizado a 24.722,65 anos-luz de distância de nós – o que poderia torná-lo o exoplaneta da Via Láctea mais distante descoberto até agora.

É distante de nós, mas muito provavelmente perto da protuberância galáctica, a região densamente povoada no centro da galáxia. Embora estejamos cada vez melhores em encontrá-los, os exoplanetas são complicados. Eles não emitem nenhuma luz própria e qualquer luz das estrelas que possam refletir seria um sinal minúsculo, perdido na luz da sua estrela.

A maioria dos exoplanetas que conhecemos foi detectada usando um dos dois métodos. Existe o método de trânsito, que detecta planetas com base nos mergulhos regulares e minúsculos à luz das estrelas quando um exoplaneta passa na frente dele, e há o método de oscilação, que detecta oscilações minúsculas exercidas em uma estrela pela influência gravitacional de um exoplaneta.

Mas existe um terceiro método, baseado nas previsões da relatividade geral: microlente gravitacional. Imagine duas estrelas, uma atrás da outra, e um observador (nós) a alguma distância. Os raios de luz da estrela traseira (a fonte) são levemente curvados pela gravidade da estrela mais próxima (a lente) à medida que passam. Isso distorce e amplia essa fonte de luz – portanto, exercendo o papel de uma lente.

Assim, quando um exoplaneta é jogado na mistura gravitacional, cria uma perturbação adicional na luz que atinge o observador e podemos reconhecer isso como uma evidência da existência de um planeta. Os astrônomos podem então analisar a curva de luz do evento de microlente para determinar os parâmetros do sistema.

“Para se ter uma ideia da raridade da detecção, o tempo necessário para observar a ampliação devido à estrela hospedeira foi de aproximadamente cinco dias, enquanto o planeta foi detectado apenas durante uma pequena distorção de cinco horas”, explicou o astrônomo Antonio Herrera Martin, da Universidade de Canterbury, na Nova Zelândia. “Depois de confirmar que isso foi realmente causado por outro ‘corpo’ diferente da estrela, e não um erro instrumental, começamos a obter as características do sistema planeta-estrela”, ressaltou.

O evento de microlente – chamado OGLE-2018-BLG-0677 – foi observado independentemente por dois experimentos diferentes, o Sistema de Aviso Prévio do Experimento de Lente Gravitacional Óptica (OGLE) e a Rede de Telescópio de Microlente da Coréia (KMTNet). Essas experiências geralmente detectam cerca de 3.000 eventos de microlente por ano, a maioria dos quais são apenas estrelas.

Eles determinaram que o exoplaneta é uma super-Terra, com cerca de 3,96 vezes a massa da Terra. Isso o torna um dos planetas de menor massa já descobertos usando o microlente gravitacional.

A estrela é realmente pequena, apenas 0,12 vezes a massa do Sol – tão pequena que os pesquisadores não conseguiram determinar se era uma estrela de baixa massa ou uma anã marrom. E a distância orbital entre o planeta e a estrela está entre 0,63 e 0,72 unidades astronômicas – traduzindo-se a mesma distância de Vênus e do Sol. Mas como a estrela é tão pequena, o planeta se move muito lentamente – seu ano é de 617 dias.

Não sabemos se o exoplaneta pode ser habitável, já que não sabemos a natureza da estrela. A temperatura e o nível de atividade de uma estrela hospedeira desempenham um grande papel na habitabilidade. E a estrela está tão longe que nem sequer estamos perto de ter instrumentos sensíveis o suficiente para estudar seu espectro, para determinar se ela possui uma atmosfera.

Mas uma das maiores questões sobre a vida no Universo é com que frequência ela tem a oportunidade de surgir. Sabemos que pode surgir em exoplanetas rochosos, uma vez que aconteceu aqui na Terra. Portanto, quanto mais exoplanetas rochosos encontrarmos, melhor entenderemos essa questão.

Traduzido e adaptado de ScienceAlert
Por Michelle Starr

Continue lendo...