Planetas

Astrônomos encontram o objeto mais distante do sistema solar

É oficial: os astrônomos encontraram um novo planeta anão em nosso Sistema Solar – e é o objeto mais distante já observado por aqui.

O minúsculo planeta é chamado de 2018 VG18 – mais tarde apelidado de “Farout” pela equipe que o descobriu – e está a mais de 3 vezes a distância de Plutão, a cerca de 18 bilhões de quilômetros. Isso é mais do que 100 vezes a distância entre a Terra e o Sol, sendo aproximadamente a mesma distância que a Voyager 2 alcançou, ao atingir o espaço interestelar este mês.

Melhor imagem do novo objeto.

Farout foi visto pelo telescópio japonês Subaru no Havaí no dia 10 de novembro por Scott Shepard, do Carnegie Institution for Science e vários colegas, de acordo com uma declaração no site do instituto. Até agora, Farout ainda é profundamente misterioso. Mas um aspecto que já atrai interesse científico é sua órbita incomum. O Farout orbita em um ângulo incomum, junto com outros chamados “objetos trans-netunianos”.

Tem havido muita especulação nos últimos anos sobre o que pode estar causando a trajetória incomum desses corpos astronômicos. Uma das explicações mais populares é a possível existência de um nono planeta. E de fato, os astrônomos descobriram Farout enquanto procuravam a existência desse nono planeta

Os dados mais recentes sugerem que também pode ser um grupo de objetos dentro do mesmo campo gravitacional. O Farout é estimado em 500 km de diâmetro e leva mais de 1.000 anos para orbitar o Sol. Ele também tem um tom rosado, de acordo com os pesquisadores.

“Com as novas câmeras digitais de campo em alguns dos maiores telescópios do mundo, estamos finalmente explorando os limites do nosso Sistema Solar, muito além de Plutão”, disse Chad Trujillo, astrônomo da Northern Arizona University.

A descoberta mostra que, embora os pesquisadores estejam rotineiramente encontrando planetas orbitando outras estrelas, ainda existem objetos desconhecidos do tamanho de planetas em nosso próprio Sistema Solar. Isso realmente mostra o quanto ainda há para aprender sobre nosso canto relativamente pequeno da galáxia. [ScienceAlert]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.