Planetas

Astrônomos confirmam oficialmente o segundo visitante interestelar

A União Astronômica Internacional confirmou que o cometa descoberto há algumas semanas pelo astrônomo amador Gennady Borisov, do Observatório MARGO, na Crimeia, é de fato proveniente do espaço interestelar. Este é apenas o segundo objeto interestelar conhecido a passar pelo nosso Sistema Solar (o primeiro foi ‘Oumuamua).

O 2I/Borisov em toda a sua glória. (Créditos: Observatório Germini)

Desde que foi observado pela primeira vez em 30 de agosto, os astrônomos estão rastreando a órbita do cometa em detalhes. Agora está claro que o cometa é um visitante de outra estrela. A União também nomeou oficialmente: 2I/Borisov. 2I significa segundo objeto interestelar e, dado que é claramente um cometa, eles mantiveram a tradição de nomeá-lo em homenagem ao descobridor.

2I/Borisov foi descoberto quando estava a mais de 400 milhões de quilômetros do Sol – e está chegando mais perto. Alcançará seu afélio em 8 de dezembro, quando estará a aproximadamente 300 milhões de quilômetros de distância. Isso é aproximadamente o dobro da distância Terra-Sol. Está se movendo a uma velocidade de cerca de 150.000 km/h e se aproximando do Sistema Solar interno em um ângulo de 40 graus em relação ao plano orbital da Terra. Sua órbita, orientação e o fato de o cometa ser muito mais rápido do que qualquer objeto conhecido do Sistema Solar foram as pistas iniciais que levaram os pesquisadores a suspeitar que o cometa era interestelar.

O Gran Telescopio Canarias obteve o espectro de luz do objeto, a partir do qual eles foram capazes de estabelecer sua composição. Acontece que não é muito diferente dos cometas que se formaram na Nuvem de Oort, a região muito além da órbita de Plutão. As formações de cometas em outros sistemas estelares provavelmente serão semelhantes às nossas.

Os astrônomos ainda não conseguiram medir seu tamanho com precisão, mas as estimativas atuais da NASA colocam o núcleo do cometa entre 2 e 16 quilômetro de diâmetro. Embora este seja apenas o segundo objeto interestelar conhecido a passar, provavelmente não será o último. As estimativas sugerem que, em qualquer ponto do sistema, exista pelo menos. Infelizmente, a maioria deles é pequena e fraca demais para ser descoberta. Aguardemos novos detalhes sobre esse visitante interestelar. [IFLS]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.