Planetas

Astrofísico diz que possui uma nova definição para planeta

À medida que nosso conhecimento sobre estrelas cresce cada vez mais, os astrônomos têm encontrado mais e mais planetas extrasolares. Mas há muitas coisas estranhas girando no Universo, e um astrofísico está pedindo uma definição formal sobre o que realmente significa um planeta.

Screenshot_3

Atualmente, um planeta é um corpo celeste que está em órbita em torno do Sol, tem massa suficiente para a sua autogravidade superar as forças rígidas do corpo, de modo que ele assume uma forma de equilíbrio hidrostático (quase redondo) e limpou os detritos em torno de sua órbita.

Essa definição não pode incluir exoplanetas, uma vez que eles não orbitam o Sol, mas também estamos encontrando coisas fora do Sistema Solar que são confusas – como por exemplo, as anãs marrons, que ninguém parece capaz de decidir se elas são enormes planetas ou pequenas estrelas.

Kevin Schlaufman, um astrofísico da Universidade Johns Hopkins, sugere olhar para o ambiente imediato do objeto, pois isso pode nos dizer como ele se formou – e a formação poderia ser a chave que usamos para distinguir anãs marrons dos planetas.

“Sob uma definição baseada em formação, os planetas são corpos celestes que se formam através da acumulação. Por outro lado, as anãs marrons se formam através do colapso gravitacional direto, tanto no disco quanto na escala do núcleo”, explicou o físico.

Agora que observamos muitos sistemas planetários em torno de estrelas, temos uma melhor ideia dos padrões envolvidos, e ela podem ser a chave para determinar se um objeto se formou através de acúmulo de núcleo (acumulação) ou colapso gravitacional.

De acordo com o artigo de Schlaufman, a estrela em torno da qual um objeto orbita pode ser também muito reveladora. Os planetas gigantes e semelhantes a Júpiter quase sempre são encontrados em órbita em estrelas ricas em ferro, enquanto as anãs marrons são muito mais variadas.

Esse clube de planetas é exigente, não é mesmo? E, mesmo com novas definições, não parece que Plutão seja devolvido novamente a esse patamar. [ScienceAlert]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.