Astrofísica,Estrelas

Uma colisão de estrelas gerou um objeto monstruoso

Em outubro passado, uma das mais emocionantes observações de ondas gravitacionais foi anunciada. Os astrônomos testemunharam a colisão de duas estrelas de nêutrons, a primeira observação que combinou observações astronômicas padrão com ondas gravitacionais. O evento é conhecido como GW170817.

Na época, os astrônomos não tinham certeza do que essa colisão cósmica criou. As fusões de estrelas de nêutrons podem resultar em uma estrela de nêutrons extremamente pesada ou em um pequeno buraco negro. Novas observações esclareceram isso. De acordo com as observações de raio-X da região, o produto final de GW170817 era um buraco negro com uma massa em torno de 2,7 vezes a massa do nosso sol. Os resultados foram publicados no Astrophysical Journal Letters.

content-1527852488-gw170817

Em 17 de agosto do ano passado, pesquisadores do LIGO e VIRGO, detectaram a fusão de estrelas de nêutrons, descobriram a localização do sinal e notificaram observatórios astronômicos de telescópios terrestres e espaciais de todo o mundo, para que também pudessem observar isto. Foi um momento histórico.

Se as duas estrelas de nêutrons tivessem criado uma única estrela de nêutrons mais pesada, elas teriam observado uma emissão de raios-X brilhante. As estrelas de nêutrons giram rapidamente e possuem campos magnéticos muito fortes, o que aceleraria a bolha de partículas em expansão para criar um raio X de alta energia. Mas as observações mostraram algo diferente.

A intensidade de raios X observada nas observações é 100 vezes menor do que se fossem produzidos por uma estrela de nêutrons. Isso, dizem eles, é uma evidência de que o resultado do GW170817 é um buraco negro e não uma estrela de nêutrons.

A combinação de observações de ondas gravitacionais e abordagens “tradicionais” é chamada de astronomia multimensageira. Embora ainda pioneira, ela mantém a promessa de trazer uma visão completamente diferente do universo. Espera-se que o LIGO e o VIRGO retomem a detecção de ondas gravitacionais ainda este ano após a conclusão do trabalho de atualização. [IFLS]

Continue lendo...