Planetas

Tempestade de poeira toma conta do planeta Marte inteiro

Nas últimas semanas, uma enorme tempestade de poeira se formou em Marte, e agora ela cresceu tanto que engoliu todo o planeta. A tempestade agora cobriu o Opportunity e o Curiosity, fazendo com que a NASA suspendesse as missões científicas, o que pode levar semanas ou até mesmo meses.

Apesar de quão aterrorizante possa parecer o Planeta Vermelho agora, essa não é a primeira vez que vimos tempestades tão grandes engolindo Marte.

Na verdade, a primeira tempestade de poeira que vimos a nível global foi 1971, quando a Mariner 9 chegou a Marte para nos dar nossas primeiras imagens orbitais do planeta. Infelizmente, quando chegou lá a visão ficou obscurecida por um mês enquanto a poeira rodopiava ao redor de Marte.

Antes e durante uma tempestade em Marte.
Assim fica a visão antes e durante uma tempestade em Marte.

Desde então, vimos cerca de meia dúzia de outras tempestades gigantescas em volta do planeta. Os cientistas pensam que este é um ciclo impulsionado pelas estações do ano em Marte. “Uma vez a cada três anos em Marte (cerca de 5,5 anos terrestres), em média, as tempestades normais se transformam em tempestades de poeira que circundam o planetas”, disse Michael Smith da NASA.

Embora a ideia de uma tempestade tão grande que cubra todo o planeta possa parecer aterrorizante e perigosa, devido à fina atmosfera em Marte – apenas cerca de 1% tão densa quanto a da Terra – os ventos até mesmo nas maiores tempestades provavelmente não serão suficientemente fortes para causar danos significativos ao equipamento mecânico dos rovers lá.

A maior ameaça dessas tempestades vem não da velocidade do vento, mas da poeira que carrega. Bloqueando a luz do sol de alcançar a superfície, as tempestades de poeira já forçaram a NASA a colocar o rover Opportunity movido a energia solar em hibernação.

Mas mesmo para o Curiosity movido a energia nuclear, que obviamente não é afetado pela queda súbita de luz, a poeira ainda representa um problema. Devido ao pequeno tamanho das partículas de poeira em Marte, o material é sempre levemente eletrostático. Isso significa que ele adere a todas as superfícies e é difícil de remover, ameaçando entrar em engrenagens e entupir as coisas.

Os pesquisadores, no entanto, não estão particularmente preocupados com o Curiosity, e estão bastante animados em poder ter a chance de ver o que exatamente acontece nas tempestades de poeira globais, potencialmente ajudando-os a entender por que elas se desenvolvem. [IFLS]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.