Planetas

Sonda revela detalhes de asteroide em novas fotos incríveis

No final do mês passado, a sonda espacial da NASA OSIRIS-REx entrou em uma órbita recorde, a apenas 1,75 quilômetros do centro do asteroide Bennu, que tem apenas 492 metros de diâmetro. Esta é a órbita mais próxima que se consegue em torno de um corpo celeste como esse, além de ser o menor objeto a ser orbitado por algo assim até hoje.

Durante essa fase, conhecida como Orbital A, os sistemas não estão realmente coletando dados científicos. Ela permite que a equipe por trás da missão rastreie o caminho que a espaçonave está percorrendo em torno do asteroide e nos permite obter as melhores vistas do hemisfério sul de Bennu.

Essa abordagem é chamada de Navegação Óptica e as duas imagens foram tiradas em 17 de janeiro, cada uma com um tempo de exposição de 1,4 milissegundos. As imagens foram ajustadas no contraste, tornando os detalhes da superfície irregular mais visíveis.

O objetivo da OSIRIS-REx não é apenas tirar fotos. Em 2020, a espaçonave ficará extremamente próxima do asteroide e estenderá um braço de coleta para pegar uma amostra de regolito, o solo solto na superfície de Bennu. Para alcançar este quase-pouso, os pesquisadores precisam saber tudo o que há para saber sobre o asteroide.

Por essa razão, a OSIRIS-REx continua a mapear a superfície do asteroide em detalhes extremos, além de estudar sua composição para encontrar o melhor local para a coleta de amostras. Mas a fase orbital também irá refinar medições relacionadas à massa e gravidade de Bennu.

A gravidade do asteroide é extremamente fraca (cerca de 5 milionésimos da Terra), e mesmo forças fracas como a pressão térmica de Bennu ou a radiação solar podem empurrar a espaçonave, o que significa que a equipe de cientistas precisa ficar de olho nos movimentos da OSIRIS-REx.

A sonda está atualmente a 91 milhões de quilômetros da Terra e sua pesquisa detalhada de Bennu começará em pouco menos de um mês. A OSIRIS-REx está programada para voar de volta à Terra assim que a amostra for coletada, chegando em 2023. [IFLS]

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.