Astrobiologia,Planetas

Pela primeira vez na história, China faz planta nascer na Lua

É oficial: existe vida fora da Terra. A bordo do módulo Chang’e-4, da China, na superfície lunar cinzenta e empoeirada, um pequeno broto verde surgiu em um grande salto para exploração espacial. A China fez história, mais uma vez, germinando com êxito uma semente de algodão no outro lado da Lua, marcando a primeira vez que qualquer matéria biológica foi cultivada na superfície de um outro astro.

Semente de algodão germinando na Lua.

Chang’e-4, em homenagem à deusa chinesa da Lua, conseguiu o primeiro pouso suave no outro lado do nosso satélite em 2 de janeiro de 2019. Ele já retribuiu algumas imagens incríveis dessa paisagem relativamente inexplorada, mas agora a China está avançando com o primeiro experimento de biosfera na Lua.

A semente da planta de algodão germinou dentro de uma vasilha hermética a bordo da sonda Chang’e-4. O recipiente também contém ar, solo e água, além de sementes para flores de colza, batata e Arabidopsis. Ele ainda detém uma amostra de levedura e ovos de bicho-da-seda.

As sementes ficaram dormentes durante a viagem de Chang’e-4 à Lua. No dia seguinte ao do pouso, em 3 de janeiro, o centro de controle deu início à rega das plantas e iniciou o experimento pioneiro. O interior da “biosfera” é monitorado com duas câmeras ligadas a um sistema de controle de calor. Até agora, as câmeras mostram apenas a germinação da semente de algodão, mas a equipe ainda está esperando que os outras também ganhem vida.

A esperança é que as plantas cresçam e emitam oxigênio, alimentando os bichos-da-seda, que por sua vez exalará dióxido de carbono, fornecendo resíduos para alimentar as plantas.

“Demos consideração à futura sobrevivência no espaço. Aprender sobre o crescimento dessas plantas em um ambiente de baixa gravidade nos permitiria estabelecer as bases espaciais”, disse o professor Xie Gengxin, o principal cientista do experimento. [IFLS]

Atualização: A plantinha acabou morrendo pouco tempo depois – entenda.

Alexsandro Mota

Nordestino, um grande amante da astronomia e divulgador científico há quase uma década. Sou o criador do projeto Mistérios do Espaço e dedico meu tempo a tornar a astronomia mais acessível.