Onda de gás ultra-quente foi encontrada vagando através do espaço

Cientistas descobriram uma enorme onda de gás ultra-quente ondulando através do aglomerado de galáxias de Perseus. E quando dizemos enorme, queremos realmente dizer GIGANTE. Com cerca de 200.000 anos-luz de diâmetro – o dobro do tamanho de nossa própria galáxia Via Láctea – os pesquisadores acreditam que é a maior onda já descoberta no Universo conhecido, e é mais provável que esteja rondando pelo espaço há bilhões de anos.

O aglomerado de Perseus com a onda gigante destacada.

O aglomerado de Perseus com a onda gigante destacada.

Ela é um tipo de onda de Kelvin-Helmholtz, que ocorre quando dois fluidos que viajam em velocidades diferentes se movem um após o outro. O exemplo mais familiar desse fenômeno são as belas ondas ondulantes que caem sobre si mesmas na praia como resultado do vento que sopra através da superfície do oceano.

As ondas de Kelvin-Helmholtz também foram descobertas pulsando através de nossa atmosfera, e até foram encontradas em outros planetas e na superfície de nosso próprio Sol .

Usando dados do Observatório Chandra de raios-X da NASA, os pesquisadores encontraram evidências do exemplo mais massivo de uma dessas ondas até o momento.

O conjunto de galáxias está localizado na constelação de Perseus a cerca de 240 milhões de anos-luz de distância e tem cerca de 11 milhões de anos-luz de diâmetro, composto por várias galáxias cercadas pela enorme nuvem de gás quente, que é tão quente que só brilha em raios-X.

A princípio, eles pensaram que o fenômeno poderia ter algo a ver com um buraco negro na região, mas usando dados do Observatório Chandra, combinados com observações de rádio e simulações por computador, os cientistas descobriram agora que era essa enorme onda de gás.

Com base em suas simulações de computador, a equipe sugere que bilhões de anos atrás, o aglomerado de galáxias foi estabelecido com uma região central mais fria de gás atingindo temperaturas em torno de 30 milhões de graus Celsius, cercado por uma área com gás três vezes mais quente

Mas então um pequeno aglomerado de galáxias parece ter passado por essas duas regiões, criando uma espiral em expansão de gás frio. Durante os próximos 2,5 bilhões de anos, os pesquisadores preveem que o gás se espalhe a cerca de 500 mil anos-luz do centro do aglomerado.

Obter mais informações sobre como essas ondas se formam e evoluem, não apenas nos ajudam a compreender o nosso Universo, mas também permite que os pesquisadores tenham uma ideia da força do campo magnético desses aglomerados. Se fosse muito fraco, a onda seria muito maior do que a que vemos hoje. Se fosse muito forte, não se formaria. [ScienceAlert]

Sou natural de Conceição do Coité, na Bahia e atualmente trabalho com a divulgação científica na internet, principalmente nas páginas Universo Racionalista e Mistérios do Espaço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *