Cientistas podem ter descoberto a primeira lua fora do Sistema Solar

Sendo uma grande descoberta importante, os astrônomos dizem que podem ter encontrado a primeira lua além do Sistema Solar – conhecida como exomoon (exolua).

A descoberta potencial está a 4 mil anos-luz de distância em torno de uma estrela chamada Kepler-1625. E foi feita usando o Telescópio Espacial Kepler da NASA por três astrônomos, Alex Teachey e David Kipping, da Universidade de Columbia, e um cientista chamado Allan Schmitt.

O que foi observado pelos astrônomos, deu um duplo mergulho na luz da estrela, já que o planeta, e a lua, possivelmente passaram na frente em relação a nós – conhecido como o método do trânsito.

Concepção artística de um exoplaneta com sua exolua.

Concepção artística de um exoplaneta com sua exolua.

Os astrônomos disseram que estão confiantes de que realmente é uma lua. Eles também falam que há cerca de uma em 16.000 chances de ver o trânsito de novo. Embora pareça ser uma boa possibilidade, não podemos dizer com certeza. Atualmente, o sinal é meramente consistente com o que esperamos ver de uma lua, mas pode ser outra coisa. Agora, eles usarão o Telescópio Hubble para tentar confirmar a descoberta.

A descoberta seria semelhante ao primeiro planeta encontrado fora do Sistema Solar em 1992. Embora estivéssemos bastante seguros de que tais exoplanetas existissem, encontrar um provou ser difícil. E isso é ainda mais verdadeiro para as luas, que tendem a ser menores do que os planetas. Este sistema, em particular, parece quase como um sistema de planeta binário, e certamente seria diferente de tudo o que já vimos antes.

Outro motivo para irmos com calma, é que já tivemos alguns alarmes falsos de exolua antes. Havia uma possibilidade em 2014, por exemplo, que parecia promissora no início, mas logo foi descartada.

Muitos dos 3.000 ou mais exoplanetas que encontramos até agora não foram nada como qualquer mundo no nosso Sistema Solar. Alguns possuem uma massa semelhante a Júpiter, mas orbitam incrivelmente de perto de sua estrela, enquanto outros são mundos rochosos, em órbitas inabitáveis. [IFLS]

Sou natural de Conceição do Coité, na Bahia e atualmente trabalho com a divulgação científica na internet, principalmente nas páginas Universo Racionalista e Mistérios do Espaço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *